Em sua defesa, advogado Omar Coêlho diz que utiliza a internet como `cidadão e eleitor¿

O presidente da seccional de Alagoas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/AL), Omar Coêlho, utilizou a rede de microblog Twiiter para pedir votos para o presidenciável José Serra (PSDB) e ao candidato à reeleição do Estado de Alagoas, Teotônio Vilela Filho (PSDB). Filiado ao Democratas (DEM), Coêlho acusa o adversário da Frente Pelo Bem de Alagoas (PSDB - DEM - PP - PSB - PPS – PSC), o candidato Ronaldo Lessa, de ‘mentir’.

“É verdade que Ronaldo 12 tem um apelo melhor ao servidor, pelos concursos que fez, mas perde votos quando começa a mentir. Mano pagou todos os atrasados”, postou o advogado, referindo-se as declarações de Lessa, feitas no programa eleitoral, de que teria quitado os salários atrasados dos servidores públicos, na ocasião em que assumiu o governo do Estado em 1998. ‘Mano’, a quem Omar Coêlho se refere, foi o governador que antecedeu Lessa e, segundo o presidente, teria pago os vencimentos dos funcionários.

Em outra postagem, Coêlho foi mais direto: “Alagoas vai azular de vez. Vamos votar 90!! 45 + 45!! Serra + Téo = 90!!”, escreveu ele. Em sua página, o advogado ainda alfinetou o PT nacional com a mensagem: “Quem gosta de privatização é o PT. Mensalão é a retirada de dinheiro público para o privado”.

Apesar da condição de ser presidente da Ordem, Omar Coêlho diz que sua campanha na internet não interfere no seu trabalho como maior representante da OAB de Alagoas e alega que ‘nem gosta de política’. Entretanto, confirma ser filiado ao DEM desde 2005, partido do candidato a vice-governador na chapa encabeçada por Teotônio Vilela.

Nota de esclarecimento
Omar Coêlho não quis dar entrevista a respeito do seu posicionamento na internet. Todavia, enviou uma nota de esclarecimento ao iG .

“No Twitter @omarcoelho me manifesto como cidadão e eleitor. O Twitter da Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas é o @oabalagoas e é nele que estão as manifestações oficiais da entidade. Minhas preferências pessoais não interferem na atuação da OAB/AL, que, só para citar como exemplo, no período eleitoral abriu suas portas para que todos os candidatos ao governo e ao Senado apresentassem suas propostas em sabatinas promovidas pela entidade”, defendeu-se.

Ainda em nota, Coêlho acrescenta: “Não tenho atuação partidária, mas sou filiado ao DEM desde 2005, o que é fato público e notório, não havendo em razão disso qualquer comprometimento da atuação da OAB, órgão transparente e plural, que tem em sua diretoria e em seu conselho advogados das mais variadas linhas ideológicas, o que gera até um salutar equilíbrio na atuação da entidade. E não tenho absolutamente nada contra o candidato Ronaldo Lessa, ressaltando inclusive que quando fui contactado para receber o dossiê sobre o suposto desvio no governo passado denunciado por Teotonio Vilela, tomei a iniciativa de pedir à advogada Rachel Cabús que me representasse na ocasião, evitando assim qualquer tipo de insinuação de uso político da OAB/AL”, finalizou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.