Edvaldo Brito defende proibição de pesquisas de intenção de voto

Candidato ao Senado classifica que levantamentos só servem para influenciar e confundir eleitor

Lucas Esteves, iG Bahia |

Edvaldo Brito, candidato ao Senado na chapa do peemedebista Geddel Vieira Lima (PMDB), é um dos pleiteantes à Casa que reúne as menores intenções de votos nas pesquisas eleitorais já realizadas até agora. Estacionado em 3%, ele garante não dar nenhuma importância a estas consultas e vai mais longe. Defende a proibição das pesquisas de opinião.

Segundo Brito, que é advogado, os números que as pesquisas divulgam servem unicamente para moldar a opinião futura dos eleitores e que não permitem que a divulgação de ideias seja o fator principal a estimular a decisão final relativa ao voto. Além disso, o candidato acredita que o método de avaliação dos grandes institutos é falho e não mostra a realidade.

Em uma pesquisa recente do instituto Datafolha, por exemplo, 208 pessoas foram ouvidas em Salvador, 42 na segunda maior cidade do estado, Feira de Santana, e apenas 12 em outras localidades. Para Brito, é impossível fazer deste recorte uma amostra fiel do pensamento do eleitorado baiano. “Como fazer uma medição com esse referencial se o Estado tem mais de 12 milhões de habitantes?”

    Leia tudo sobre: eleições basenadopesquisas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG