Dilma: opinião do papa deve ser respeitada

Bento 16 disse hoje aos bispos brasileiros que eles têm o dever de emitir juízo moral e orientar fiéis em matérias políticas

Andréia Sadi, iG Brasília |

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff , disse hoje em Brasília que o papa tem todo o direito de se manifestar e que respeita a posição dele sobre as orientações dadas na manhã desta quinta-feira pelo chefe da Igreja Católica aos bispos brasileiros. Hoje de manhã, Bento 16 condenou o aborto e disse que os religiosos têm o dever de emitir juízo moral e orientar seus fiéis em matérias políticas.

Questionada pelos jornalistas se a declaração do papa poderia prejudicá-la, já que Dilma foi alvo de boatos de que seria a favor do aborto, a candidata petista disse que é preciso separar as questões. “Não acho que o papa tenha a ver com isso. No Brasil, o que aconteceu foi uma campanha que não veio à luz do dia, não se identificou. Foi uma campanha de calúnias”, afirmou.

Dilma voltou a manifestar sua opinião contrária ao aborto, mas acrescentou que não se pode ignorar o fato de que, no Brasil, uma mulher morre a cada dois dias vítima de complicações geradas pela realização de abortos clandestinos.

Com relação às eleições de domingo, que vão decidir o próximo ou a próxima presidente do País, Dilma foi questionada se acompanharia a apuração no Palácio do Alvorada, residência oficial do presidente da República. A candidata esquivou-se de responder, dizendo que a repórter estava sendo precipitada.

A candidata petista deu entrevista à imprensa no seu escritório de campanha, em Brasília, depois de encontro com representantes da Federação Única dos Petroleiros (FUP).

    Leia tudo sobre: pleito 2010eleições dilmapapa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG