Dilma lança programa social para 'erradicar pobreza'

Para isso, presidenciável afirmou que pretende aumentar os benefícios do Bolsa Família

Ana Paula Leitão, iG Brasília |

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff , lançou em evento hoje em Brasília o Programa de Desenvolvimento Social, que aponta 13 promessas de reforço a programas sociais do governo Lula.

A meta apresentada pelo programa, distribuído a mais de mil militantes presentes no evento, é "eliminar a pobreza absoluta" no Brasil, por meio da ampliação do acesso ao (programa) Bolsa Família, aumento da oferta de serviços do Sistema Único de Assistência Social, reajuste do valor dos benefícios, melhora dos programas de alimentação, aumento da escolaridade, criação de empregos e a erradicação do trabalho infantil.

Divulgação
Dilma lança programa para desenvolvimento social em Brasília
"O primeiro item dos 13 pontos é a erradicação da miséria. Para nós, a questão social não é apenas um adereço de mão, é o cerne de nossa política. (...) O indicador principal de que um País se desenvolveu não está no PIB, mas na melhora da vida das pessoas", afirmou Dilma em meio aos aplausos da militância.

A petista aproveitou ainda para criticar o programa do adversário tucano José Serra (PSDB) em relação ao tema da distribuição de renda. "Ao contrário do programa do adversário, que tem como anexo essa questão, na forma de um programa piloto de distribuição de renda, nós colocamos essa questão como prioridade. A nossa visão de desenvolvimento não é igual à deles", pontuou.

A candidata petista prometeu também que vai continuar o projeto do governo Lula de ampliar a criação de empregos. "Nós aumentamos 15 milhões de empregos com carteira assinada, e vamos investir nessa questão porque, em vez de dar importância para questões mercantis, vamos continuar focando nas pessoas".

E, como de costume, Dilma apelou ao voto feminino para ganhar as eleições, mas sem "subir no salto". "Vamos colocar o salto bem baixinho e disputar cada votinho. O 'já ganhou' não funciona, porque a pessoa fica orgulhosa", declarou.

Em seu discurso, a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Márcia Lopes, reforçou que um eventual governo de Dilma vai ampliar o (programa) Bolsa Família, principal programa social do governo Lula, para todas as famílias e também para grupos indígenas, quilombolas e a população de rua. "Estamos aqui para consolidar o sistema único de assistência social, erradicar a pobreza, o trabalho infantil, levando estrutura para as famílias mais carentes, assim como a expansão do Bolsa Família até para as pessoas que não tem filhos".

Presente a Lula
Questionada sobre o presente que pretende dar ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva por conta de seu aniversário, a presidenciável ainda declarou que “torce uma barbaridade” para entregar o presente pedido por ele. “Esse presente só vai ser entregue às 17 horas do dia 31 de outubro. Até lá fica a expectativa do presente. É uma boa expectativa, mas hoje não sabemos se o presente vai ser entregue. Eu espero que seja entregue”, afirmou Dilma, completando que “dará abraços nele após as atividades presidenciais na residência oficial”.

A petista ainda lamentou a morte de Nestor Kirchner, ex-presidente da Argentina. “A América Latina está de luto (...) vou me comunicar com Cristina (Kirchner) para dar os meus pesares”, disse.

*Colaborou Andréia Sadi, iG Brasília

    Leia tudo sobre: eleições dilmaprogramapleito 2010

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG