Dilma: hoje não falamos "humildezinhos" com países desenvolvidos

Acompanhada por cerca de 1000 militantes, a presidenciável petista deu a largada oficial da campanha em Porto Alegre

Alexandre Haubrich, iG Porto Alegre |

A presidenciável petista, Dilma Rousseff, deu a largada oficial de sua campanha nesta terça-feira em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, onde iniciou sua carreira política. Em meio a cerca de 1000 militantes, segundo a Polícia Militar, Dilma afirmou que agora o Brasil é um "povo de cabeça erguida". "Hoje não falamos humildezinhos com os países desenvolvidos", afirmou. Ela também aproveitou para lembrar que foi no Rio Grande do Sul que construiu sua família.

Líderes políticos de partidos aliados marcaram presença no palco ao lado de Dilma, entre eles o deputado federal Beto Albuquerque (PSB), a deputada federal Manuela D’Ávila (PC do B), o presidente do PT-RS, Raul Pont, e o ex-governador Alceu Collares (PDT).

O candidato do PT ao governo do Estado, Tarso Genro, ressaltou que Dilma foi a condutora do governo Lula, responsável pela coalizão de “partidos que não necessariamente tiveram a mesma origem”.

Divulgação
No lançamento da campanha, ao lado de Tarso Genro, Dilma afirmou querer ser presidente para "continuar mudando o País"


Tumulto muda roteiro

Dilma desistiu de almoçar na praça de alimentação do Mercado Público de Porto Alegre para evitar um tumulto no primeiro dia de sua campanha eleitoral. A refeição em companhia de parceiros políticos seria o terceiro ato público do dia. Ela já havia recebido a Medalha do Mérito Farroupilha, na Assembleia Legislativa, e participado de um rápido comício na Esquina Democrática, no centro da cidade.

Acompanhada de apoiadores e de cerca de mil militantes, segundo estimativa da Polícia Militar, Dilma caminhou duas quadras sob sol escaldante e entrou no Mercado Público para percorrer bancas e cumprimentar comerciantes e consumidores. Como a multidão seguiu atrás, a candidata se viu cercada pela militância e passou a ter dificuldades tanto para caminhar quanto para cumprimentar eleitores.

Depois de subir ao segundo andar e perceber que a praça de alimentação, já lotada, seria tomada pela multidão, Dilma optou por deixar o local e, segundo assessores do partido, ir almoçar com a filha Paula, grávida de sete meses.

Ao explicar a mudança da programação, Tarso disse que "Dilma não pode vir almoçar porque estava muito assediada pelo povo" e contou que ele mesmo havia sugerido à candidata que saísse antes. Segundo o ex-ministro da Justiça, a presença da multidão prejudicaria os negócios dos comerciantes do mercado por dificultar a circulação dos consumidores. "Bendita falha", afirmou Tarso, ao se referir a eventual erro da organização. "Imaginamos mil pessoas em nosso eventos, mas vieram de quatro a cinco mil pela paixão popular que Dilma conseguiu despertar".

(Com Agência Estado)

    Leia tudo sobre: dilma roussefftarso genroptrio grande do sulcampanha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG