Dilma defende presença de Lula em campanha

Candidata grava programa eleitoral no Rio e afirma que não há a ¿menor hipótese¿ de não falar sobre o presidente

Samia Mazzucco, iG Rio de Janeiro |

Dilma Rousseff , candidata do PT à Presidência, afirmou nesta segunda-feira (9) que a presença e as referências ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva em comícios e eventos de campanha não vão diminuir. “A presença do presidente Lula nos meus discursos, eu considero fundamental. Não tem a menor hipótese de diminuir", disse a candidata. 

Agência Estado
Dilma Rousseff durante gravações de programa para o horário político no Complexo Esportivo da Rocinha, em São Conrado, na zona sul do Rio de Janeiro
A presidenciável afirmou que sua candidatura representa a "continuidade" e "consolidação" do atual governo. “Acho que o que está em questão nesta eleição é quem representa o quê. Tenho orgulho do meu patrimônio que é ter sido coordenadora do governo de um presidente que foi extremamente bem sucedido em desenvolver o Brasil, distribuir renda e incluir a população.”

Dilma disse que vai continuar citando o presidente em seus discursos e que a participação dele em sua agenda se restringe a eventos durante a noite e nos finais de semana, respeitando a legislação eleitoral.

Obras do PAC

Nesta manhã, Dilma gravou imagens na piscina do complexo esportivo da Rocinha, na zona sul do Rio, com crianças fazendo aula de natação ao fundo, que serão veiculadas na propaganda eleitoral gratuita na TV a partir do dia 17.

Após a gravação, ela voltou a prometer, caso seja eleita, construir 800 praças com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) parecidos com o complexo com a intenção de incentivar a formação de atletas.

Dilma também afirmou que recursos do PAC2 serão destinados a obras de prevenção em áreas de risco. Segundo a candidata, a intenção é destinar R$ 10 bilhões a obras de drenagem e R$ 1 bilhão para proteção de encostas de morro.

Questionada sobre a maior concentração de recursos na campanha de candidatos governistas, a presidenciável afirmou que a quantidade "não é importante". “Tem governador com 63% de aprovação e outro com 11%. Não é uma questão de desigualdade de recursos é desigualdade de voto. Tem gente que tem o governo e está perdendo eleição”, disse.

    Leia tudo sobre: eleições Dilmaeleições rjPTLularocinha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG