A petista terá a maior base de apoio desde a volta das eleições diretas para presidente

A presidente eleita Dilma Rousseff começará seu mandato com a maior base de apoio no Congresso Nacional desde a volta das eleições diretas para presidente, em 1989. O desejo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de formar uma base ampla foi cumprido com a eleição de ao menos 372 deputados e 60 senadores aliados – mais do que os três quintos necessários para aprovar mudanças na Constituição.

Dilma Rousseff ao votar neste domingo em Porto Alegre
Fábio Berrie
Dilma Rousseff ao votar neste domingo em Porto Alegre
O PT foi bem sucedido na estratégia de sacrificar candidatos ao governo em Estados importantes para ter a garantia de apoio do PMDB e conseguir a maioria no Congresso. Dilma tende a ter mais facilidade para negociar a maioria com outros partidos depois de eleita, como Fernando Henrique Cardoso e Lula tiveram que fazer em seus primeiros mandatos.

A habilidade de Dilma para lidar com desejos dos congressistas é uma incógnita, mas aliados dizem que a ajudarão nesta tarefa. Michel Temer (PMDB), vice-presidente eleito, foi presidente da Câmara por três vezes e já ajuda a acalmar os ânimos do Congresso e, principalmente, do PMDB, segunda maior bancada da Casa. Temer articula o revezamento entre PT e PMDB na Presidência das duas Casas legislativas nos próximos quatro anos.

Lula também disse que deve auxiliar a candidata no diálogo com outros políticos. O próprio presidente já afirmou, em entrevista ao iG , que estará de “prontidão”. “Não vou permitir que tentem fazer com ela todas as sacanagens que tentaram fazer comigo”m disse. Ele se referia a derrotas que teve no Congresso Nacional. A pior, segundo ele, foi a derrubada da CPMF em 2007.

Ainda assim, é consenso entre especialistas que a maioria de Dilma no Congresso não é por si só garantia de uma governabilidade sem restrições. A petista terá o desafio de reorganizar a estrutura de cargos no governo, de maneira a contemplar novos aliados e acomodar os interesses de todos os partidos que a ajudaram na campanha presidencial. Além disso, a petista terá, naturalmente, de lidar com os dissidentes das bancadas aliadas, desafio enfrentado também por Lula.

Reformas

Durante a campanha, Dilma se disse a favor de reformas, como a tributária e a política, mas não deu prazos para o envio de projetos ao Legislativo. Ela se resumiu a afirmar que essas mudanças ocorrem mais facilmente no início dos mandatos.

Sobre a reforma tributária, disse que ela é a “mãe de todas as reformas”, mas não definiu detalhes da proposta. Já a reforma política defendida pela candidata inclui financiamento público das campanhas, voto em lista e “reforço dos partidos”.

Evangélicos

A legislação sobre o aborto, tema discutido exaustivamente na campanha, dificilmente sofrerá modificações na próxima legislatura. A candidata disse, durante a campanha, que não deve propor modificações na lei sobre o assunto.

A posição expressada pela candidata vai de encontro ao desejo da bancada evangélica, que teve um aumento no seu número de parlamentares. Segundo levantamento do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), o número de deputados e senadores ligados a igrejas evangélicas cresceu de 43 para 66 na nova legislatura.

Dilma e a bancada têm opinião distinta em outro ponto. A candidata já disse ser favorável à união civil entre homossexuais, rechaçada pelos evangélicos no Congresso. Somente um parlamentar assumidamente homossexual foi eleito nesta eleição, Jean Wyllys (PSOL-RJ).

Nova presidente terá a maioria do Congresso a seu favor
Agência Brasil
Nova presidente terá a maioria do Congresso a seu favor

Empresários e sindicalistas

A redução da jornada de trabalho para 40 horas, principal reivindicação das centrais sindicais no Congresso, deve ter sua tramitação dificultada. Principal entrave para a aprovação da proposta, os empresários somam agora 169 deputados, número sem precedentes na vigência da Constituição de 1988.

Dilma também não deve cooperar com as centrais nessa matéria. Na campanha, ela disse que a jornada de trabalho não é assunto de governo e que ele deve ser tratado diretamente entre trabalhadores e patrões.

Os sindicalistas também tiveram um aumento em sua bancada. Segundo o Diap, os parlamentares ligados a sindicatos passaram de 61 para 68.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.