Derrota de oposicionistas foi 'vingança de Deus', diz Lula

Com críticas à oposição, presidente afirmou em discurso que deixará seu cargo com 'sensação de dever cumprido'

Agência Estado |

selo

Em tom de despedida, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que Deus fez a vingança que ele queria com os senadores que votavam contra o governo. Ao falar sobre a oposição em discurso realizado na quadra poliesportiva do Instituto Federal Tecnológico do Piauí, em Teresina, Lula disse que os eleitores do Estado derrotaram dois políticos que, segundo ele, tiraram R$ 120 bilhões da saúde quando votaram contra a continuidade da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).

"Eles pensaram que iam me prejudicar, mas prejudicaram ao povo que precisa do SUS ( Sistema Único de Saúde ), de pronto-socorro, de remédio. Mas Deus escreve certo por linhas tortas. Ele fez a vingança que eu queria e coloco gente de respeito no Senado", disse Lula, referindo-se aos senadores Heráclito Fortes (DEM) e Mão Santa (PSC), que foram derrotados na eleição.
Lula ainda criticou aqueles que diziam que ele não saberia governar porque não tinha curso superior. "A arte de governar não se aprende em universidade, senão pegavam um na Academia Brasileira de Letras (ABL) para ser presidente. A arte de governar é como a arte de ser mãe, cuidar da família, garantir direitos e oportunidades a todos."
Lula quebrou o protocolo várias vezes. Em uma dessas oportunidades, pegou o microfone para dizer: "Vocês sosseguem o facho, apaguem o fogo, porque aqui é um evento oficial da Presidência da República", disse à militância que gritava o nome da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff , e do candidato à reeleição ao governo do Estado, Wilson Martins (PSB).
Lula disse que deixará seu cargo com "sensação de dever cumprido". "Em 77 dias estarei entregando a faixa presidencial. Mas saio com a sensação de dever cumprido, com a sensação que poderia ter feito mais, mas embora não tenha feito tudo, fizemos mais que os outros governos anteriores", disse.
"Eu agradeço a Deus e valeu a pena passar esse tempo no governo. Não vamos aceitar que dividam o País em primeira classe, que podem tudo, e em segunda classe, que não pode nada. Cansamos de ser tratados como segunda categoria."
O presidente disse que perdeu muitas eleições e que "isso serviu de ensinamento". "Eles tinham medo e por isso contavam muita mentira a meu respeito. Diziam que era comunista, porque tinha a barba comprida. Mas Jesus também tinha barba comprida, Tiradentes também tinha. Quantas vezes tive que responder e pagar o preço porque a bandeira do meu partido é vermelha, porque tem uma estrela na bandeira", reclamou.
FHC

Lula exaltou sua gestão e criticou o governo tucano de Fernando Henrique Cardoso. "Hoje pobre pode ser doutor, pode viajar de avião, vai para Europa. Mas o outro governo ficou oito anos e não cuidou do País, não atendeu aos pobres. Ao contrário, fez uma lei onde o governo não podia cuidar das escolas técnicas. Então valeu a pena eu passar pelo governo", afirmou Lula.
Ele disse ainda que não vai sossegar depois de deixar a Presidência da República. "Eu não saio apenas, não vou apenas passar o bastão. O povo é que é o dono do País. E não pode permitir que voltemos ao passado do desespero, do descaso. Cansamos de sermos tratados como vira-latas. E eu não vou descansar quando sair da Presidência. Não vou me trancar para velhice tomar conta de mim. A velhice vai ter que correr atrás de mim."

    Leia tudo sobre: eleições dilmaeleições piCPMF

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG