Para candidata do PV, caso deve ser investigado pelo Ministério Público e decidido na Justiça

selo

A candidata do PV à Presidência da República, Marina Silva , afirmou hoje que as denúncias de tráfico de influência na Casa Civil devem ser investigadas pelo Ministério Público (MP) e que esse é um caso para ser decidido na Justiça. A afirmação foi feita pela manhã em um evento para cerca de 200 militantes verdes em Vitória, no Espírito Santo. "Já disse tudo o que havia para ser dito sobre o assunto, mas sempre defendi que essas denúncias fossem investigadas pelo Ministério Público, o que já está acontecendo. O caso deve ser decidido pela Justiça."

Ela também comentou, de forma evasiva, a possibilidade da candidata petista, Dilma Rousseff , ser convocada para depor sobre o caso. "Isso é uma decisão da Justiça e a Justiça tem seus próprios caminhos", afirmou Marina.

Na capital capixaba, a candidata verde também disse que, se for eleita, vai rediscutir a emenda Ibsen-Simão, que trata da partilha dos royalties do petróleo. "A discussão sobre a partilha dos royalties do petróleo está contaminada pela eleição e pretendo rediscutir este assunto depois das eleições. Os Estados produtores não podem ser prejudicados, mas como a exploração não será na plataforma continental, os demais Estados também devem ter acesso aos recursos do petróleo", afirmou.

Marina Silva ainda disse que vai ampliar o investimento em educação de 5% para 7% do Produto Interno Bruto (PIB), o que equivale R$ 245 bilhões, e que vai promover uma reforma na segurança pública ao rever a forma de atuação das polícias Militar e Civil, fazendo com que ambas atuem no ciclo completo de polícia, ou seja, prevenindo, reprimindo e investigado crimes.

Durante o evento, Marina ainda cometeu uma gafe: ao pedir votos para os candidatos do PV, ela pediu que os eleitores "digitassem o número 45 na urna eletrônica", no dia da eleição. O número do PV é 43. Porém, ao perceber que havia pedido votos para a legenda do candidato tucano José Serra (PSDB), ela se desculpou. "Foi um grave erro, mas não passa de um grave erro de colocação", desculpou-se Marina após o encontro com os militantes.

No final da manhã, antes de seguir para Vitória da Conquista (BA), onde participará de reuniões com lideranças regionais, religiosas e estudantis, a candidata verde visitou a Associação das Paneleiras de Goiabeiras, uma cooperativa de mulheres que fabricam artesanalmente panelas barro usadas para preparação do prato símbolo da culinária local: a moqueca capixaba. Marina ainda terá agenda no final da tarde em Salvador (BA), onde pernoitará, e, na manhã de sábado, seguirá para o Rio de Janeiro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.