Delcídio Amaral define metas do novo mandato

Senador reeleito diz que educação, saúde e segurança são prioridades para o Mato Grosso do Sul

Alessandra Messias, iG Campo Grande |

O senador reeleito Delcídio Amaral (PT-MS) informou que vai dar maior ênfase aos assuntos sociais no seu segundo mandato. Mas não pretende se afastar dos assuntos de logística e infraestrutura. “Sempre fui focado em logística e infraestrutura. Continuarei nessa linha, mas agora minhas prioridades serão educação, segurança e saúde.”

Delcídio lembrou que foi eleito com 830 mil votos, que representam o apoio de mais de 34% de aprovação dos sul-mato-grossenses. Por isso disse que vai melhorar, com a ajuda do governo Federal, o acesso da população aos serviços essenciais para o desenvolvimento humano no Estado.

Saúde

Na área da saúde, o senador quer implantar no MS o projeto das Unidades de Pronto-Atendimento (UPA) que atendem a população. Ele também pretende assegurar recursos para montar hospitais regionais em cidades consideradas polos regionais como Corumbá, Dourados, Três Lagoas e Ponta Porã.

Campo Grande já possui o Hospital Regional Rosa Maria Pedrossian. Segundo o senador, para a Capital reivindicará um centro de prevenção e tratamento de câncer associado ao Hospital de Câncer de Barretos (SP), considerado referência nessa área médica.

Educação

Delcídio quer dobrar de sete para 14 o número de escolas técnicas federais no Estado. Entretanto, está marcada para o próximo dia 11 de novembro a abertura das propostas do processo de licitação para a construção de cinco escolas técnicas federais em Mato Grosso do Sul.

As escolas serão implantadas nos municípios de Aquidauana, Coxim, Corumbá, Ponta Porã e Três Lagoas. Além da instalação das cinco Escolas Técnicas Federais, o Estado foi beneficiado pelo governo Federal com a construção da Agrotécnica Federal de Nova Andradina e do Instituto Federal de Ensino Tecnológico de Campo Grande.

Como apenas duas escolas no Estado estão em funcionamento e as outras ainda serão licitadas, o senador terá que rever as suas metas.

Segurança

Para o senador petista, a segurança nas fronteiras do MS com o Paraguai e a Bolívia deve ser reforçada com um número maior de contingente das Polícias Civil, Militar e Federal. Delcídio entende que o problema de segurança está ligado ao tráfico de drogas e armas que entram no País pelas fronteiras e afetam os estados limítrofes como o MS.

“Não é uma questão apenas de controle das fronteiras. Nós precisamos de políticas específicas de promoção social e de geração de emprego e renda para os moradores, sobretudo os jovens, a fim de mantê-los longe da criminalidade,” disse.

Em relação ao controle de fronteira, o senador vê avanços como o estabelecimento de uma base área da Força Nacional, em Ponta Porã. Nela são operados vôos de pequenas aeronaves para vigilância das fronteiras secas do Brasil.

Sucessão

O senador petista entende que os debates sobre a sucessão da Mesa do Senado e da Câmara dos Deputados caminham juntos, envolvendo mais de perto o PT e o PMDB, as principais forças da base governista.

No entanto, adianta que o início das conversas ainda não começou, que o fato só deve ocorrer depois do segundo turno das eleições presidenciais. “Todo mundo está com a cabeça na campanha, ainda sem disposição para tratar de sucessão nas duas casas,” concluiu.

Balanço

Delcídio fez um balanço do seu primeiro mandato como senador. Disse que atuou como relator de projetos na área de infraestrutura. Entre eles, citou o que definiu o novo modelo para o setor elétrico e a proposta de capitalização da Petrobras, que permitiram a entrada de capital estrangeiro para exploração do Pré-sal.

O senador petista disse ainda que foi relator do projeto de lei do Orçamento da União do ano passado e presidiu a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Correios, indicado pelo bloco de apoio ao governo.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG