Candidato ao governo de Minas tem registro negado

Tribunal Superior Eleitoral confirma decisão do TRE-MG e nega registro da candidatura do PCO

Eduardo Ferrari, iG Minas Gerais |

O candidato a governador Pedro Paulo de Abreu Pinheiro, do Partido da Causa Operária (PCO), teve sua chapa indeferida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que confirmou a decisão do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) baseada na lei da Ficha Limpa. A decisão foi publicada na quinta-feira (19) pelo TSE e não houve recurso dos candidatos dentro do prazo de três dias estabelecido em lei.

Além de Pedro Paulo, seu candidato a vice José Eustáquio Gomes de Faria, também do PCO, também foi indeferido. De acordo com a legislação eleitoral, o partido tem dez dias, contados a partir da publicação, para substituir os candidatos.

Pinheiro teve seu registro negado por não ter apresentado, em tempo hábil, prestação de contas de campanha referente às eleições 2008, quando concorreu ao cargo de prefeito de Belo Horizonte. De acordo com a decisão, o candidato só apresentou o documento no dia 5 de julho de 2010. O vice Faria também não apresentou certidões exigidas no processo.

O candidato qualificou a ação do TSE e do TRE como “perseguição”: “Collor está com as mãos limpas e os partidos pequenos estão sendo cassados”, afirmou. Segundo o candidato, a decisão está sendo analisada pelo partido, que deve entrar com outro tipo de ação para tentar manter a candidatura.

Pedro Paulo de Abreu Pinheiro foi fundador e dirigente do Partido dos Trabalhadores na década de 1980, sendo expulso do PT por discordar de sua concepção da política. Também foi dirigente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e é um dos fundadores do Partido da Causa Operária (PCO), sendo membro do Diretório Nacional e presidente do partido em Minas.

    Leia tudo sobre: Eleições MG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG