Camilo Capiberibe vence, de virada, eleição no Amapá

Filho do ex-governador João Capiberibe foi beneficiado pela saída dos personagens envolvidos em suposto escândalo de corrupção

iG São Paulo |

O deputado estadual Camilo Capiberibe (PSB) venceu a disputa ao governo do Amapá. Capiberibe recebeu 170.277 (53,77%) contra o candidato Lucas Barreto (PTB), que ficou com 146.383 (46,23%).

AE
Candidato ao governo do Amapá pelo PSB, Camilo Capiberibe, acompanhado de seus filhos, votou no centro de Macapá: escândalo permitiu virada
O Amapá foi um dos únicos Estados onde houve reviravolta nas urnas no segundo turno. Na rodada anterior, Capiberibe teve 837 votos a menos do que Barreto. A vice de Capiberibe é Dora Nascimento, do PT.

Capiberibe é filho do ex-governador João Capiberibe, que teve 130 mil votos ao Senado, mas o registro de sua candidatura depende de julgamento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Nascido no Chile, quando seus pais estavam no exílio, Carlos Camilo Góes Capiberibe, de 38 anos, começou a vida pública na política estudantil. Bacharel em Direito pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Campinas (SP), cursa mestrando em Ciências Políticas pela Universidade de Montreal, no Canadá.

Filiado ao PSB há dez anos, Capiberibe preside a comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Amapá. Nas eleições de 2008, ele candidatou-se à prefeitura de Macapá (AP) pela coligação Frente pela Mudança (PSB/PSOL/PMN). Chegou a ir para o segundo turno, mas não foi eleito.

Escândalo beneficiou candidato

No início da eleição, Capiberibe aparecia com cerca de 10% dos votos, mas começou a subir nas pesquisas depois do estouro de escândalo político que envolveu o governo do Amapá. Em setembro, a Polícia Federal prendeu 18 pessoas, incluindo o atual governador Pedro Paulo, que disputava a reeleição, e o ex-governador Waldez Góes, candidato ao Senado.

Eles são alvos da operação Mãos Limpas, que investiga o suposto desvio de recursos públicos no Estado - ambos respondem em liberdade. Pedro Paulo acabou em quarto colocado na disputa.

Mesmo assim, a corrida eleitoral no segundo turno foi marcada por controvérsia. Ainda na véspera do segundo turno, a PF apreendeu R$ 5 milhões em um jatinho particular, dinheiro que seria usado para a compra de votos.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG