Cabral terá Lula e Dilma na propaganda eleitoral

Gabeira conta com mensagens de Serra e Marina, mas faz mistério sobre quem aparecerá na sua propaganda

Flávia Salme, iG Rio de Janeiro |

Começa nesta terça-feira (17) a propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV e os candidatos apostam todas as fichas no espaço para conseguir firmar suas candidaturas juntos aos eleitores. Líder nas pesquisas eleitorais, com 43 pontos de vantagem sobre o segundo adversário, o governador Sérgio Cabral, que tenta a reeleição, contará com mensagens de apoio do presidente Lula e da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff.

“O presidente Lula já gravou. A candidata Dilma ainda não, mas gravará, já está combinado”, informa a assessoria de Sérgio Cabral. “Os programas (também) terão todos os artistas, políticos e outras personalidades que estejam apoiando Sérgio Cabral”, diz a nota enviada pela equipe do peemedebista para o iG .

Para consolidar a liderança, o governador terá 8 minutos e 25 segundos do tempo de TV e promete ocupar o espaço com as principais ações de seu governo. “Os programas mostrarão o que o governo Cabral fez, as diferenças entre o Rio pré e pós-Cabral”, explicam os assessores do candidato. “Também terão as propostas para o segundo mandato.”

A equipe de Cabral garante que não existe por trás dos programas a “figura do marqueteiro”. “Ela é composta pelos profissionais Renato Pereira, André Eppinghaus, Maurício Lissovsky, William Passos e Roberto Berliner (que dirige os programas)”, informam.

Cabral não divulgou o valor pago por sua propaganda eleitoral. Na prestação de contas ao TRE-RJ, a campanha declarou gastos de R$ 1,5 mil na elaboração dos programas.

Segundo lugar nas pesquisas, Gabeira pretende centrar sua propaganda eleitoral “nas propostas e na credibilidade”, disse Moacyr Góes, diretor dos programas de TV do verde. Em seu primeiro programa nesta terça-feira, Gabeira deve usar os quatro minutos e 53 segundos a que tem direito para se apresentar como candidato e abordar temas como saúde e desastres ambientais.

Os presidenciáveis Marina Silva (PV) e José Serra (PSDB), dos partidos que compõem a base aliada de Gabeira, gravaram mensagens de apoio ao candidato. No entanto, segundo Góes, ainda não foi definido qual dos dois foi escolhido para aparecer no primeiro programa do verde. “Um dos dois aparecerá com certeza”, afirma o diretor.

Artistas como o poeta Ferreira Gular e o cantor Luiz Melodia, além do psicanalista Luiz Alberto Py, também gravaram depoimentos em apoio ao verde e devem aparecer nos programas ao longo da campanha. “É tudo absolutamente voluntário. Gabeira tem tradição de arregimentar essas pessoas todas”, afirmou Góes, completando que diretores de sindicatos e representantes de associações também devem gravar participações.

De acordo com o diretor, os candidatos ao Senado pela chapa, o ex-prefeito Cesar Maia (DEM) e Marcelo Cerqueira (PPS), não devem aparecer na propaganda. “O programa é centrado nas propostas para o Estado e não resvala para candidaturas proporcionais”, disse.

Garotinho sim; Rosinha, não

Fernando Peregrino (PR) acredita que a partir desta terça-feira ficará mais conhecido dos eleitores e, com isso, conseguirá alterar os rumos da campanha eleitoral. O republicano conta com o terceiro maior tempo entre os candidatos, 1 minuto e 36 segundos. “A primeira coisa será me apresentar, tem muitas coisas que as pessoas precisam saber para não pensarem que nasci hoje”, diz o candidato.

Ao longo dos programas, Peregrino pretende mostrar realizações próprias nos governos de Leonel Brizola, Anthony e Rosinha Garotinho. “Também vou fazer um diagnóstico do governo Sérgio Cabral, do Rio como ele é e como ele diz que é”, adianta. “No momento em que eu me tornar conhecido, eu cresço”, prevê.

Segundo o candidato, o ex-governador Anthony Garotinho aparecerá ao seu lado durante os programas. Já a ex-governadora Rosinha, mulher de Garotinho, não. “Ela está em processo com a Justiça Eleitoral, não vamos mostrá-la para o PMDB não vir em cima”, conta.

O candidato do PR não sabe ainda se a presidenciável do PT, Dilma Rousseff, também gravará mensagens de apoio à sua candidatura, como está previsto na campanha de Cabral, apontado como inimigo político por Peregrino. “Ela não gravou, mas vai ter que gravar, afinal de contas, sou da base dela, somos do mesmo grupo”, conta.

Peregrino, que ao TRE revelou ter arrecadado R$ 800 mil na primeira prestação de contas da campanha, não soube dizer o valor exato dos seus programas, produzidos pela Blue Light, que sempre trabalhou com Garotinho. “Não tenho muito dinheiro, nem tempo no horário eleitoral. Vou ter que ser criativo para fixar minha imagem como intérprete de um projeto trabalhista e popular”, diz.

Tempo mínimo

Eduardo Serra (PCB), Jefferson Moura (PSOL) e Cyro Garcia (PSTU) contarão com o tempo mínimo da propaganda eleitoral, um minuto cada.

Eduardo Serra (PCB), que aparece nas pesquisas atrás de Gabeira, vai usar uma vinheta instrumental para embalar a aparição do símbolo mais famoso do comunismo: a foice e o martelo. “A primeira estratégia será falar do poder popular, da democracia direta, dos transportes, da saúde, da desigualdade e dos movimentos sociais”, conta o Serra carioca.

Segundo o candidato, os 17 programas a que terá direito no rádio e na TV já estão todos gravados. Além de receber mensagens de sindicalistas e integrantes de movimentos sociais, haverá ainda a participação “de um professor universitário conhecido da juventude comunista”, faz suspense o candidato. Serra também contará com a aparição do candidato à Presidência pela sigla, Ivan Pinheiro.

Cyro Garcia afirmou que pretende usar seu minuto para "denunciar as mazelas desse governo, apresentar as propostas e mostrar a candidatura como uma alternativa". Apesar do pouco tempo, o candidato afirmou que as propagandas do partido sempre causaram impacto, mas não quis dar detalhes sobre o formato do programa. 

O programa do candidato do PSOL, Jefferson Moura, contará com a participação da senadora Heloísa Helena, do mesmo partido, que apresentará o socialista. "Vamos apresentar a candidatura resgatando referencias da trajetória do PSOL", contou o candidato.

(Colaborou Samia Mazzucco, iG Rio de Janeiro).

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG