Cabral estima gastar quase três vezes mais para se reeleger

Juntos, os três principais candidatos ao governo do Rio de Janeiro preveem despesas de R$ 55 milhões

Flávia Salme, iG Rio de Janeiro |

Eleito com 68% dos votos em 2006, e apontado em recente pesquisa eleitoral com 43% das intenções dos eleitores fluminenses, o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), informou ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ) nesta segunda-feira (5) que estima gastar até R$ 25 milhões em busca da reeleição. O valor é 2,7 vezes maior do que as despesas que ele declarou à Justiça Eleitoral quando venceu a disputa pelo Palácio Guanabara, há cerca de quatro anos.

“O valor não tem nada demais, é uma estimativa. Quanto devem gastar os outros candidatos? Os 25 milhões são apenas um teto, não significa que será usado tudo”, justificou o advogado Eduardo Damian, que representa a Cabral na disputa.

Principal adversário do governador na corrida, o deputado federal Fernando Gabeira (PV) também estimou gastos de R$ 25 milhões. Indicado pelo PR para concorrer ao cargo, o ex-secretário estadual de Ciência e Tecnologia Fernando Peregrino informou ao TRE-RJ que sua campanha pode custar até R$ 5 milhões.

Embora tenham feito o registro de suas candidaturas, os candidatos Cyro Garcia (PSTU), Jefferson Moura (PSOL) e Eduardo Sena (PCB) não foram encontrados pelo iG para comentar sobre as estimativas de gastos na disputa pelo governo do Rio.

Em 2006, Cabral gastou R$ 9,7 milhões

Na prestação de contas da última corrida ao governo estadual, Sérgio Cabral declarou despesas de R$ 9.734.780,48. Os gastos consumiram quase todo o valor arrecadado. A “sobra” de R$ 5.608,70 foi encaminhada ao partido do governador, o PMDB.

O site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informa que no pleito de 2006 as maiores despesas da campanha peemedebista foram com programas de TV e rádio (R$ 2,3 milhões), confecção de placas, estandartes e faixas (R$ 2,2 milhões) e publicidade com material impresso (R$ 1,4 milhão).

Uma parte considerável das receitas foi doada por instituições financeiras: R$ 3,1 milhões. Quem mais contribuiu foi o Banco Itaú, com R$ 900 mil.

Em 2006, 11 candidatos concorreram ao Palácio Guanabara. Juntos, os concorrentes gastaram R$ 15.649.363,62. Esse valor não contabiliza as despesas do prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), que na época disputou o cargo de governador pelo PSDB, porque os valores da campanha não aparecem no site do TSE. Exclui ainda as despesas de Thelma Maria (PCO), já que as cifras também não constam na página eletrônica do tribunal.

A cifra levantada pelo iG , contudo, mostra que a campanha de 2010 para o governo do Rio de Janeiro, com seis candidatos, pode sair pelo menos 3,6 vezes mais cara que a de 2006.

Candidatos do Rio ao Senado: previsão inicial de R$ 36 milhões

No registro ao TRE-RJ, os candidatos ao Senado que integram a coligação de 16 partidos em apoio ao governador Sérgio Cabral estimaram um total de despesas de R$ 30 milhões. O presidente da Assembleia Legislativa, Jorge Picciani (PMDB), deve gastar até R$ 15 milhões. O segundo candidato, Lindberg Farias (PT), também prevê gastos de R$ 15 milhões.

Ex-prefeito do Rio, Cesar Maia (DEM) não informou nesta segunda-feira (5) quanto deve gastar para chegar ao Senado. Ele integra a coligação de quatro partidos que vão dar sustentação à candidatura de Gabeira. O outro candidato, Marcelo Cerqueira (PPS), também não apresentou ao iG a estimativa de despesas.

Na coligação de apoio a Fernando Peregrino (PR), os candidatos Carlos Dias e Waguinho, ambos do PTdoB, preveem usar R$ 3 milhões.

O senador Marcelo Crivella (PRB), que tenta a reeleição, não quis divulgar o valor informado ao TRE-RJ. O jornalista Milton Temer (PSOL) não foi encontrado pelo portal.

Declaração de bens

Ao entregar o registro de sua candidatura ao governo fluminense, o governador Sérgio Cabral registrou o aumento de R$ 647.875,61 para R$ 843.094,42 de seu patrimônio. O valor incluiu a casa do governador em um condomínio de luxo em Mangaratiba, na Costa Verde fluminense, que ele declarou custar R$ 200 mil, e um Toyota Corolla (2006) de R$ 70 mil, além de participações em uma empresa e sete aplicações financeiras.

Fernando Gabeira declarou patrimônio total de R$ 60.393. O valor não mudou muito do que o declarado em 2008, quando ele disputou a prefeitura do Rio e afirmou ter R$ 54.072, 55 em bens. Incluiu duas motocicletas Suzuki, avaliadas em R$ 10.950, cada, além de R$ 34 mil em CDB e R$ 3.493,00 em fundos de renda fixa. A diferença do valor apresentado agora resulta da valorização das aplicações financeiras.

    Leia tudo sobre: cabralgabeiraperegrinogastos de campanhatre

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG