BB nega que sigilo bancário de tucano tenha sido violado

Em nota, Banco do Brasil diz lamentar a tentativa de envolvê-lo em denúncias sem quaisquer comprovações ou fundamentos

Danilo Fariello, iG Brasília |

Poucas horas após o vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge Caldas Pereira, denunciar que, segundo inquérito da Polícia Federal, sua conta corrente no Banco do Brasil teria sido violada, o BB negou a acusação. Em nota distribuída à imprensa, o Banco do Brasil "repudia qualquer afirmação de que a conta tenha sido acessada sem motivos profissionais".

O BB reafirma que não foi identificado fato que comprove violação de sigilo, conforme nota anteriormente distribuída em relação ao mesmo caso, no começo do mês.

A margem de questionamento surge da motivação do acesso, que poderia ter sido feito pelo próprio Eduardo Jorge. Ele nega dois dos acessos indicados ao inquérito da Polícia Federal pelo próprio banco. Um deles, teria sido feito do Estado do Rio de Janeiro e outro da agência onde Eduardo Jorge é correntista, ambos em março.

Segundo o Banco do Brasil, as informações prestadas à PF são sigilosas, em atendimento a determinação da Justiça. "Os acessos realizados à conta do cliente foram compatíveis com as funções interentes à atividade bancária dos funcionários", afirma o BB.

A nota se encerra com a declaração a seguir: "lamentamos a tentativa de envolver o Banco do Brasil em denúncias sem quaisquer comprovações ou fundamentos. A Instituição reitera o zelo pela integridade e segurança dos dados de quem mantém relacionamento com o Banco."

    Leia tudo sobre: eduardo jorgebanco do brasilPSDBpelito2010

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG