BA: Wagner minimiza Segurança Pública em programa enviado ao TSE

Estatísticas da violência no Estado são o principal alvo de ataques adversários

Aura Henrique, iG Bahia |

Mesmo admitindo que a Segurança Pública deva ser o principal foco de ataque de seus adversários no pleito deste ano, o candidato à reeleição do governo da Bahia, Jaques Wagner (PT) apresentou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) um plano de governo com propostas genéricas e pouco objetivas sobre o tema. A página do petista no TSE destina oito tópicos ao assunto, em um plano que pode ser considerado enxuto em relação aos seus principais opositores.

No site do candidato, a única proposta garante a criação de um plano de paz social, com novas ações de inteligência no combate à violência e repressão ao narcotráfico. Além disso, todas as menções apresentadas no texto estão apoiadas nos reflexos da gestão do presidente Lula no Nordeste e alimentam também a teoria da “herança maldita”, que vincula supostos fracassos da administração aos passivos deixados pelos governos anteriores. Este discurso foi frequentemente proferido por Wagner e aliados durante os anos de sua administração à frente do Estado.

Sobre a principal “vidraça” das eleições deste ano, a segurança pública na Bahia, o programa afirma que o governador está tranquilo e sabe das ações efetivas que realizou desde 2007. Entre suas novas propostas está a de contratar mais policiais, melhorando suas condições de trabalho. Sobre o crack, apontado em seu governo como responsável por 80% dos homicídios no estado, o programa informa apenas a manutenção do combate permanente às drogas.

Se reeleito, o governador também conta com parceria do Governo Federal, por meio do Pronasci (Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania), para fortalecer o policiamento nos bairros, ainda que a Bahia venha apresentando baixa execução da verba destinada pelo programa. Em 2009, o Estado corria o risco de perder o incentivo por ter executado apenas 11% dos R$42,7 milhões destinados ao cumprimento do plano, quando a meta era de 30%.

Embora seu plano de governo não traga metas concretas ou números que permitam ao eleitor fazer uma avaliação mais aprofundada, Wagner anunciou em comício realizado em Barreiras, no Oeste, a construção de dez pequenos presídios no interior da Bahia, através de parceria com o Ministério da Justiça. O candidato pretende também implantar ronda nos bairros em todas as cidades com população superior a 100 mil habitantes.

    Leia tudo sobre: Jaques WagnerBahiaSegurança pública

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG