Medida Provisória prevê punições mais duras e por isso categoria iniciou um protesto para mudança do texto

selo

A crise institucional na Receita Federal, aberta com a violação de dados protegidos por sigilo fiscal, está longe de acabar, ameaçando se estender no início do governo da presidente eleita, Dilma Rousseff (PT). A medida provisória (MP) 507, que prevê punições mais duras para os servidores que vazarem informações protegidas por sigilo fiscal, abriu um novo flanco de instabilidade no Fisco. Em protesto, a categoria iniciou hoje um movimento nacional para mudar o texto da MP, que só deverá ser votada no próximo ano.

Os auditores decidiram não acessar durante todo o dia de hoje com as suas senhas os sistemas informatizados da Receita para chamar atenção para o problema e, "no limite", não descartam a possibilidade de fazer um movimento mais amplo de paralisação. Eles querem ser ouvidos pela equipe de transição da futura presidente. Os auditores alegam que a MP traz insegurança para o trabalho de fiscalização do combate à sonegação, porque o ônus da prova de acesso imotivado de dados protegidos por sigilo fiscal caberá ao servidor.

Para o presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita (Sindifisco Nacional), Pedro Delarue, a MP foi feita de forma açodada pelo governo para dar uma resposta política aos casos de vazamento de informações durante a campanha eleitoral - dados de tucanos foram violados. "Não podemos ser prejudicados em nome de uma resposta que o governo quis dar à sociedade", criticou. Uma das preocupações dos auditores é com o artigo 3º da MP, que trata de punições, inclusive com demissão, se houver acesso imotivado aos dados dos contribuintes.

O dirigente sindical ressalta que numa investigação de uma empresa, por exemplo, o fiscal faz diversos acessos aos dados do contribuinte e nem todas as informações acabam sendo usadas no processo. "Anos depois fica difícil para o servidor lembrar de todos esses acessos", ponderou Delarue. Segundo ele, os auditores vão ficar com medo de trabalhar, o que trará prejuízos para o combate da sonegação.

A categoria vai decidir ainda em assembleia se monta uma estratégia para derrubar a MP no Congresso. Também está na pauta o uso de recursos de um fundo de mobilização do sindicato para ser usado numa campanha contra a MP. Para o presidente do Sindifisco, as consequências da medida são graves. "Não estamos pensando em greve agora. Mas, no limite, não descartamos essa hipótese", disse.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.