Auditores abrem sigilos próprios em oposição a Mantega

Sindicato dos auditores é contra monitoramento especial de políticos, que, para eles, deveriam tornar os seus dados disponíveis

Danilo Fariello, iG Brasília |

Os auditores fiscais estão contrariados com algumas medidas anunciadas pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, na terça-feira, sinalizando maior controle sobre acessos a dados de políticos . Para o presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Sindifisco Nacional), Pedro Delarue, na verdade, esses contribuintes deveriam até ter seus dados mais acessíveis à população, que poderia fiscalizá-los mais facilmente.

Como forma de ratificar a posição da entidade de que pessoas “politicamente expostas” deveriam abrir livremente seus dados, o presidente do Sindifisco Nacional e seus vices vão protocolar um ofício na Receita em que colocam seu sigilo à disposição do órgão federal. “Queremos dar um exemplo, porque quem não deve nada não deveria temer abrir seus dados fiscais à população”, diz Delarue.

Delarue avalia que, ao criar um grupo específico de pessoas a serem monitoradas com mais rigor, o governo federal acabou criando contribuintes “de primeira classe”, diferenciados do restante do povo. “Se tivesse de haver alguma diferenciação, tinha de ser o oposto, porque essas pessoas (politicamente expostas) deveriam sempre abrir seu sigilo, quando solicitado.”

Para o Sindifisco Nacional, a iniciativa de o governo federal promover maior controle sobre os acessos a dados sigilosos, recadastrando senhas e modificando parâmetros eletrônicos, é bastante positiva. Mesmo a criação da Medida Provisória, que punirá com mais rigor as transgressões dos servidores, é vista com bons olhos pelos auditores.

Após o anúncio das medidas, porém, eles se preocuparam se suas fiscalizações seriam prejudicadas pelas novas medidas, mas obtiveram explicação dos técnicos da Receita de que não haverá grande impacto no trabalho cotidiano desses profissionais. Os auditores temiam que a fiscalização se tornasse mais burocrática e lenta.

    Leia tudo sobre: receita federalsindifiscoauditoresmantegasigilo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG