Atrás nas pesquisas, Mercadante cola em Marta para fazer campanha na periferia

Candidato visitou reduto petista na capital paulista acompanhado da ex-prefeita e fez ataques à situação da segurança pública

Matheus Pichonelli, iG São Paulo |

Em segundo lugar nas pesquisas de intenção de votos para governador em São Paulo, o candidato do PT, senador Aloizio Mercadante, participou nesta segunda-feira de caminhada no bairro Capão Redondo, zona sul da capital, ao lado da ex-prefeita Marta Suplicy, líder em todas as pesquisas para o Senado no Estado. A área é uma espécie de reduto do PT na periferia da cidade, onde a ex-prefeita tem alta popularidade (no segundo turno de 2008, por exemplo, ela somou no Capão Redondo quase 60% dos votos em disputa no segundo turno para a Prefeitura). 

Em quase um mês de campanha, o senador ainda patina nas pesquisas – no melhor cenário (pesquisa Vox Populi/Band/ iG ) atinge 18% das intenções de voto, enquanto o adversário do PSDB, Geraldo Alckmin desponta como favorito para vencer logo no primeiro turno.

Futura Press
Marta e Mercadante, em ato no último domingo
Após o ato, o candidato petista aproveitou os recentes ataques contra policiais , promovidos por criminosos em São Paulo, para elevar o tom das críticas sobre a situação da segurança pública no Estado governado há quase 16 anos pelo PSDB.

Mercadante disse que não faria menção direta ao episódio, mas afirmou que o governo do Estado perdeu o controle do sistema prisional. Segundo ele, a sociedade deveria contar com o sistema de monitoramento eletrônico de presos em época de indulto, como no Dia dos Pais, na próxima semana.

“Esses presos que vão sair agora no indulto do Dia dos Pais já deveriam sair monitorados eletronicamente. Daria muito mais segurança à sociedade e aos presos, que não teriam que cumprir tarefas impostas por essas facções”.

Ele defende a separação de presos por grau de periculosidade e diz que o poder público já deveria contar com um sistema de audiências por videoconferências. “Mais uma vez, verificamos o descaso com a carreira policial e a falta de preparo do Estado”, disse o senador, que citou o exemplo da Polícia Federal e das unidades pacificadoras do Rio de Janeiro, projeto desenvolvido em conjunto com o governo federal. “Precisamos trazer a inteligência e eficiência da Polícia Federal para São Paulo e melhorar muito o policiamento ostensivo comunitário.”

Segundo o candidato, a gestão tucana espalhou presídios pelo Estrado sem compensação para os municípios que abrigam as unidades. A "concentração indevida" de presídios, afirmou, sobrecarregou o sistema de atendimento à saúde nessas localidades. Ele citou o exemplo da região de Presidente Prudente, onde há cidades com mais presos do que habitantes, e lembrou que o Estrado possui quase 60 mil presos a mais do que a capacidade do sistema.

“São 21 presídios num raio de 100 quilômetros [em Presidente Prudente]”, disse o candidato, segundo quem faltam hoje 11 mil agentes penitenciários em São Paulo.

Muitos presos provisórios, lembrou Mercadante, são levados para delegacias e passam a ser vigiados por policiais civis, o que sobrecarrega a corporação. 

Caminhada e trânsito

Sempre ao lado de Marta , o senador aproveitou a presença de emissoras de televisão no local para percorrer o centro comercial do Capão Redondo. Um dia antes, Marta e Mercadante já haviam aparecido juntos em Osasco durante um seminário sobre política para mulheres .

Em alguns eventos anteriores da campanha, Mercadante cumpriu agendas sozinho - na inauguração do comitê da campanha, na capital paulista, e durante sabatina promovida pelo jornal Folha de S.Paulo, por exemplo, Marta não compareceu. Há duas semanas, a ex-prefeita ficou sozinha em um carro de som em Carapicuíba e assistiu do alto o início de uma caminhada liderada pelo candidato a governador. Horas depois, ela foi embora sem sequer escutar o discurso do aliado durante a inauguração de outro comitê, desta vez em Osasco, na região metropolitana. 

Nesta segunda-feira, após o corpo-a-corpo no Capão Redondo, Mercadante exaltou a popularidade da ex-prefeita na região e disse que a chapa está unida desde o início da campanha.

Na caminhada, Mercadante cumprimentou comerciantes em lojas de roupa, sapato e açougues e posou para fotos ao lado de Marta. O evento reuniu cerca de 300 militantes numa rua estreita da região, o que atrapalhou o tráfego na hora do almoço e resultou em “buzinaço” de motoristas pelo menos duas vezes durante o corpo-a-corpo. Ao lado Marta estava também o primeiro suplente da chapa da candidata petista, o presidente da Câmara Municipal de São Paulo, Antonio Carlos Rodrigues, e lideranças petistas, como o presidente do Diretório Municipal do PT, Antonio Donato.

    Leia tudo sobre: Aloizio MercadantePTMarta SuplicySão PauloEleições

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG