Arrancada de Anastasia faz Hélio Costa apelar para Lula e Dilma

Patrus Ananias vai a Brasília pedir reforço do presidente e da presidenciável na campanha de sua coligação em Minas

Eduardo Ferrari, iG Minas Gerais |

As últimas pesquisas de intenção de votos ao governo estadual de Minas acenderam o sinal de alerta na coordenação da campanha do ex-ministro Hélio Costa (PMDB). Enquanto o governador e candidato à reeleição Antônio Anastasia (PSDB) comemora, o peemedebista usa seus aliados para fortalecer sua chapa e impedir uma queda ainda maior nas pesquisas. Segundo pesquisa Ibope/Estado/Globo, divulgada sábado (28), Anastasia assumiu a ponta com 35% das intenções de votos e Costa caiu para o segundo lugar, com 33%. Há menos de duas semanas, a diferença era de 20 pontos percentuais a favor do peemedebista.

Talvez por isso, o candidato a vice-governador, o petista Patrus Ananias, que já foi tido como um dos trunfos da campanha de Costa por atrair os votos de esquerda para a chapa, viajou à pressas para Brasília nesta terça-feira (31) para uma reunião com o presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, que não estava prevista em sua agenda. Na pauta, o pedido para que o presidente Lula participe mais ativamente da campanha de Hélio Costa.

Desafio de Costa é maior do que de Anastasia diz cientista política

A visita de Lula e Dilma é vista como um reforço imprescindível para os concorrentes nesta atual fase da corrida eleitoral - já que enfrentam um adversário impulsionado pelo principal cabo eleitoral de Minas, o ex-governador Aécio Neves (PSDB), candidato ao Senado que lidera a corrida para o cargo com quase 70% segundo as últimas pesquisas de intenções de votos.

Para a cientista política Eucimara Telles, professora da Universidade Federal de Minas Gerais, a tarefa de Hélio Costa, agora que Anastasia “chegou”, é mais árdua do que a do seu adversário. “Eu avalio que estas são as eleições da continuidade. Todos os candidatos à reeleição ou apoiados por eleitos estão na preferência do eleitor. Anastasia era uma das únicas exceções, mas não é mais. Costa, por sua vez, tem no currículo duas derrotas onde tinha a intenção de votos que tem hoje. Nem o PT está conseguindo mudar este quadro”, explica. “Daí a chance de Costa é que Lula e Dilma tenham uma participação maior na campanha se houver segundo turno no estado. Certamente Minas deve ser uma das prioridades do PT”, completa.

Nos quase dois meses de campanha, Lula esteve apenas duas vezes em Minas e uma única vez em Belo Horizonte, tradicional reduto petista onde o partido já teve três prefeitos nos últimos 20 anos. A expectativa é de que, além de voltar a Belo Horizonte, o presidente também vá a alguma cidade-pólo do estado. Uma das cotadas é Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira.

Costa diz que não falta de engajamento do PT na campanha

O ex-ministro Hélio Costa rechaçou que falta engajamento do presidente na campanha. Ao contrário, de acordo com o peemedebista, Lula está disposto a participar mais ativamente de sua candidatura. Sobre a informação de que candidato quer depoimentos em tom mais crítico do presidente em relação ao seu adversário tucano, a sua assessoria negou que haja esse pedido.

Nos bastidores, no entanto, Lula tem dito aos aliados que não planeja investir todas as fichas na eleição de Costa para não se indispor com Aécio Neves, com quem mantém boa relação.

    Leia tudo sobre: Eleições MGLulaDilma

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG