Após polêmica, Indio pede explicação de Dilma sobre as Farc

Deputado volta a fazer ataques durante debate com os candidatos a vice-presidente da República

iG São Paulo

O candidato a vice-presidente na chapa tucana, Indio da Costa (DEM), voltou a causar polêmica nesta terça-feira ao citar novamente um suposto elo entre o PT, da presidenciável Dilma Rousseff , e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Após ser criticado por abordar o assunto, logo que foi oficializado candidato a vice de José Serra (PSDB), Indio subiu o tom das críticas durante debate com os candidatos a vice-presidente Michel Temer (PMDB) e Guilherme Leal (PV), promovido pelo jornal O Estado de S.Paulo. Indio criticou também a relação do governo federal com o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), que disse não reconhecer como movimento social.

“A Dilma tem que se explicar. (...) Pediu direito de resposta na ( revista ) Veja e não explicou nada. A questão é: o PT tem ligação com as Farc, que têm ligação com o narcotráfico", afirmou o deputado. "Até agora, a Dilma não respondeu sobre a ligação do PT com o narcotráfico.”

Indio citou declarações feitas por Lula segundo as quais as Farc deveriam se transformar em partido político. Indio disse que teria “vergonha” de sugerir o mesmo para o PCC ou o Comando Vermelho no Brasil.

As declarações provocaram reação do presidente de Michel Temer, que durante o debate atuou como porta-voz do governo federal e saiu em defesa da ex-ministra da Casa Civil. Temer rechaçou a ilação feita pelo adversário e afirmou que Lula simplesmente propôs, em seu argumento, um caminho democrático para a guerrilha.

No evento, Indio polemizou a relação do governo federal com o MST ao afirmar que a gestão petista foi “frouxa” em relação às invasões de terra e também no controle à entrada de drogas no País.

Temer reagiu dizendo que o governo petista tem atuado no combate às drogas, contratou dez mil novos agentes da Polícia Federal e que conseguiu, em sete anos e meio, apaziguar os movimentos sociais.

Durante o debate, os candidatos a vice reforçaram as posições dos presidenciáveis em relação a temas como aborto, união civil entre homossexuais e independência do Banco Central. Guilherme Leal, por exemplo, repetiu discursos já feitos por Marina Silva (PV) sobre “projetos de longo prazo”, introdução de tecnologia na agricultura e diferença de alianças “programáticas” e alianças “pragmáticas” para formação de um eventual governo verde.

Indio, por sua vez, repetiu José Serra (PSDB) ao criticar o suposto loteamento de agencias estatais e projetos do atual governo, como trem-bala que ligará o Rio de Janeiro a São Paulo. Temer, por fim, defendeu o governo do presidente Lula e repetiu o slogan petista de que o “Brasil precisa continuar mudando.”

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG