Ao lado de Aécio, Serra participa de carreata em Belo Horizonte

Na véspera do segundo turno, candidato tucano também é acompanhado por Itamar Franco e Antonio Anastasia

Adriano Ceolin, enviado a Belo Horizonte |

O candidato tucano José Serra participou, na manhã deste sábado, de uma carreata em Belo Horizonte, na sua primeira atividade política na véspera do segundo turno das eleições presidenciais. Serra estava acompanhado do seu principal cabo eleitoral no Estado, o ex-governador e senador eleito, Aécio Neves (PSDB). Também estavam com o presidenciável o governador reeleito por Minas Gerais, Antonio Anastasia, e o ex-presidente e senador eleito, Itamar Franco (PPS).

nullA carreata começou às 11 horas, com uma hora de atraso, e partiu da Praça do Papa, numa das regiões mais nobres da capital mineira. Os moradores prestigiaram o evento, saindo de suas casas para saudar o candidato. De acordo com a organização do evento, cerca de 5 mil pessoas acompanharam a carreata, que percorreu as principais ruas e avenidas de Belo Horizonte embalada por um trio elétrico tocando os jingles da campanha.

O evento foi encerrado na Praça da Savasse, ao som do Hino Nacional e com um forte e longo abraço de agradecimento de Serra em Aécio. O presidenciável estava visivelmente emocionado.

O forte calor, no entanto, fez com que Serra mudasse os planos de se dirigir em carro aberto ao Palácio das Mangabeiras, residência oficial do governo mineiro. O tucano teve um pequeno mal estar e preferiu fazer o trajeto em carro fechado. antes de deixar a capital mineira, Serra ainda deve dar entrevista aos jornalistas.

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff , também participa de uma carreata na capital mineira. Mas, diferentemente da campanha tucana, os petistas escolheram os bairros mais populares da cidade para fazer o trajeto.

Entrevista

Em entrevista aos jornalistas depois da carreata, Serra disse que vai governar pelo interesse público, em parceria com todos os governadores. “Se o povo me escolher amanhã, eu quero que os governadores que ficaram apoiando a outra candidata não se sintam preocupados. Vou trabalhar com cada um deles, qualquer que seja a camisa partidária”, afirmou.

Sem citar diretamente seus adversários do PT, o presidenciável tucano afirmou que vai governar “pelo interesse público, não com interesse da carteirinha partidária, de uma corporação determinada ou de uma turminha”.

O tucano também comentou a declaração dada hoje pela candidata do PT, Dilma Rousseff, que também participou de uma carreata em Belo Horizonte na manhã de hoje. Dilma disse que o presidente Lula não vai participar de seu ministério, caso seja eleita, mas que irá consultá-lo porque tem uma forte ligação com ele. De acordo com Serra, “a gente sabe que quem é eleito é quem governa. Não existe governo terceirizado em nenhuma parte do mundo”, disse.

Serra afirmou também que teve hoje um dos três momentos de maior emoção na sua campanha, quando abraçou os mineiros Aécio, Itamar e Anastásia. Os outros dois momentos foram durante discurso feito a prefeitos paulistas e no encerramento de um dos debates ao longo da campanha.
Questionado sobre o mal estar que sofreu no final da carreata, o tucano disse que acordou “em cima da hora” e não teve tempo para se alimentar. “Eu estava com fome”, disse.

Serra disse estar confiante em relação ao resultado das urnas. “Mas agora a decisão é do povo. As pessoas que ainda não decidiram em quem vão votar estão longe de achar que não há problemas no País”, disse em relação ao voto dos indecisos.

Debate

O tucano também revelou que ontem, antes de participar do debate na TV Globo, chegou a assistir ao vídeo do debate promovido pela mesma emissora em 2002, entre ele e o então candidato Lula. “Minha curiosidade era saber se eu tinha envelhecido. Mas meus assessores disseram que estou melhor. Em relação ao conteúdo, grande parte do que eu disse (em 2002) é o que eu penso hoje”, afirmou.

Serra também comentou o fato de ter incluído Minas no seu roteiro no último dia de campanha. “(Minas) Tem papel simbólico na campanha, é um dos pilares das forças democráticas. Estou grato por ter vindo aqui fazer minha última programação de campanha em Minas, principalmente com três pessoas tão representativas que me deram apoio grande no segundo turno”, completou.

Aécio

Em conversa com os jornalistas, Aécio Neves foi questionado se teria ficado magoado com o comportamento do presidente Lula durante a campanha, principalmente no segundo turno. Aécio disse que sempre teve uma “relação especial e respeitosa” com o presidente. “Até mesmo de amizade, como o Serra também. Mas em algum momento, o presidente Lula foi além do que precisaria”, afirmou.

    Leia tudo sobre: pleito 2010eleiçõe serraaécio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG