Ao iG, Serra poupa Lula sobre vazamento de dados da Receita

Tucano contou ter dito ao presidente que havia uma 'armação' envolvendo a quebra de sigilo de sua filha Verônica

Adriano Ceolin, iG Brasília, e Nara Alves, iG São Paulo |

Em entrevista exclusiva concedida ao iG nesta sexta-feira, o candidato do PSDB ao Palácio do Planalto, José Serra , afirmou ter avisado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre uma suposta quebra de sigilo fiscal de sua filha, Verônica Serra. A conversa, segundo o tucano, aconteceu em janeiro deste ano, na mesma ocasião em que contou ao presidente que planejava representar o PSDB nas eleições presidenciais. No entanto, Serra poupou Lula na hora de cobrar providências. E, mais uma vez, jogou a responsabilidade sobre o vazamento de informações da Receita Federal sobre sua adversária Dilma Rousseff (PT) .

Flávio Torres/Fotomídia
Serra visitou as instalações do iG acompanhado de sua mulher, Mônica Serra

Leia as declarações de Serra ao iG sobre os vazamentos de dados da Receita Federal

“A campanha é de responsabilidade da candidata. E as pessoas que ela escolhe são de responsabilidade dela. Qualquer pessoa que lê as coisas na imprensa vê que houve um envolvimento. Houve ato criminoso de quebra de sigilo com fins políticos eleitorais que são óbvios. Isso vem desde o ano passado”, afirmou Serra. “Ela ( Dilma ) é responsável, sem dúvida nenhuma. Você é responsável pelo que acontece na sua campanha”, completou.

nullSerra confirmou a informação do jornal Folha de S.Paulo de que ele avisou Lula sobre a quebra de sigilo de Verônica. “Eu disse a ele ( Lula ) que havia uma armação contra familiares meus, inclusive no blog do Lula, no blog da Dilma, dos amigos do Lula. E que tinha inclusive elementos de quebra de sigilo. Eu estava preocupado e passei cópia para ele disso em janeiro”, afirmou. “Mas só se confirmou a quebra agora. Eu suspeitava”, completou.

nullComo fez no programa eleitoral veiculado ontem à noite na televisão, Serra voltou a comparar o caso à campanha de 1989, quando o então candidato Fernando Collor de Mello, hoje senador e postulante ao governo de Alagoas, exibiu uma entrevistas em que uma ex-namorada de Lula falava sobre um suposto pedido de aborto. “Como o Collor fez exatamente com o Lula, eles ( os petistas ) fizeram a mesma coisa”, afirmou.

Questionado por que não trouxe o assunto à tona em janeiro, Serra justificou-se dizendo que, na época, não tinha provas da alegação. “Apenas havia suspeitas de que havia quebra de sigilo por dados que eram publicados nesses blogs sujos que vocês todos conhecem”, afirmou.

Segundo o tucano, cabe ao presidente lidar com “Esse é problema dele. Se ele podia ou não, é o Lula que pode dizer. Eu não o intimei. Eu não tinha provas. Eu não revelei a ele algo que estivesse acontecendo. Eu revelei algo que podia estar acontecendo. E também o meu profundo desagrado por utilizar meus filhos”, disse. “Não pedi a ele para tomar providências”, reiterou.

Serra acusou a Receita Federal e o governo de "fazer corpo mole" e de comandar uma "operação abafa" nas investigações sobre a violação de sigilo. Serra, porém, é comedido quando questionado se o presidente Lula devia tomar medidas mais drásticas. "A responsabilidade maior sempre é ( do presidente ), mas não estou dizendo que foi Lula que mandou fazer isso", disse. "É o que se espera ( que ele possa atuar para resolver )", completou.

    Leia tudo sobre: Eleições SerraPleito 2010Receitaeleições dilmalula

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG