Aliados de Roriz estudam lançar Rosso à reeleição

Estratégia é articulada por peemedebistas e pelo senador Gim Argello (PTB), que tentará concorrer mais a um mandato

Adriano Ceolin, iG Brasília |

Aliados de Joaquim Roriz (PSC) articulam a desistência da candidatura dele ao governo do Distrito Federal e seu apoio à candidatura à reeleição do governador Rogério Rosso (PMDB). A estratégia conta com o incentivo de peemedebistas e do senador Gim Argello (PTB), que tentará concorrer a um novo mandato este ano. O principal adversário da ideia é Tadeu Filipelli, deputado e presidente do PMDB-DF.

“Se Rosso for candidato, eu vou ter de abandonar a vida pública”, diz Filipelli. Ele diz ter sido o principal fiador de Rosso na eleição indireta realizada em abril para substituir o governador do DF, José Roberto Arruda e seu vice, Paulo Octávio _ambos do DEM que renunciaram após os desdobramentos da Operação Caixa de Pandora que revelou um esquema de corrupção no governo do Distrito Federal.

Apesar de ser líder nas pesquisas, Roriz e seu grupo temem que o nome dele seja envolvido em denúncias e acabe sendo forçado a desistir da candidatura nas vésperas da realização da eleição em outubro. Isso acabaria beneficiando adversários como o candidato do PT, Agnelo Queiróz.

Um dos articuladores da desistência de Roriz é Gim Argello, atual vice-líder do governo. Apesar de ter se apresentado inicialmente como candidato ao governo do DF, ele mudou de ideia e resolveu concorrer ao Senado, ganhando mais oito anos de mandato _ainda lhe restam quatro anos.

O projeto inicial de Gim era disputar na chapa de Roriz. Nas últimas semanas, no entanto, passou a articular a substituição do ex-governador por Rosso. Apesar de dizer que seu compromisso é terminar sua gestão ao fim de 2010, o atual comandante do DF não tem impedido aliados de trabalhar por sua reeleição.

O iG apurou que, nos bastidores, Rosso tem incentivado discretamente que aliados dele e de Roriz negociem sua reeleição ao governo do DF. O problema, porém, é Filipelli. O presidente do PMDB tem um acordo para firmar aliança com o PT. “Rosso venceu a eleição indireta porque ficou claro que ele não concorreria à reeleição”, disse.

Na oportunidade, Rosso contou com o apoio de deputados distritais do PT. A negociação contou com o aval do Palácio do Planalto. O próprio Filipelli disse ter acertado a parceria com o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha. “Rosso fez um compromisso com a sociedade que não disputaria”, disse Padilha.

Conhecido como "o filho que Roriz não teve", Rosso é muito amigo de Liliane Roriz, uma das filhas do ex-governador do DF por quatro oportunidades. Segundo a reportagem apurou, Rosso afastou-se de Roriz mas nunca perdeu contato com a família. O último encontro público entre os dois aconteceu numa missa no dia 20 de abril, em homenagem aos 50 de Brasília.

    Leia tudo sobre: RossoRorizGDF

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG