Aliados de Alckmin reclamam de "dobradinhas" entre adversários

O governador Alberto Goldman disse que os adversários do tucano "são uns inescrupulosos"

Ricardo Galhardo |

Aliados do candidato tucano ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin, reclamaram do comportamento dos adversários no debate da Band. Segundo tucanos e democratas, os candidatos Celso Russomano (PP) e Paulo Bufalo (PSOL) se aproveitaram das regras para fazer "dobradinhas" com o petista Aloizio Mercadante e atacar Alckmin sem que ele pudesse se defender.

"É claro que houve dobradinha. Quem não tem o que falar precisa atacar", disse Guilherme Afif Domingos (DEM).

O governador Alberto Goldman (PSDB) foi mais enfático. "São uns inescrupulosos. Até na política tem que haver escrúpulos. Esta é a falta de escrúpulos dos medíocres", afirmou.

Como a regra do debate impede os candidatos de receberem mais de duas perguntas em cada bloco, Russomano e Bufalo fizeram perguntas para Mercadante e aproveitaram o tempo para atacar os governos tucanos no Estado nas áreas de saúde e de segurança.

Por outro lado, os aliados de Alckmin negaram que o candidato tucano tenha repetido a estratégia ao perguntar a Fabio Feldmann (PV) sobre a lei estadual contra o aquecimento global. O candidato verde elogiou a iniciatiuva do governo tucano.

O único momento em que a plateia se manifestou foi quando Alckmin aproveitou a pergunta de Feldmann para rebater um ataque de Russomano, que disse ter holerites mostrando que o salário inicial de um médico do Estado é R$ 400. "Um médico não ganha R$400. Ganha R$600 por um plantão de 12 horas", disse Alckmin. Quando o tucano pronunciou "ganha R$ 600", antes de terminar a frase, os petistas da plateia caíram na risada.

    Leia tudo sobre: Eleições SPdebateband

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG