Alckmin diz esperar "boas parcerias" com Dilma

O governador eleito ligou para Dilma na última segunda-feira pela manhã para cumprimentá-la pela vitória

Piero Locatelli, iG São Paulo |

O governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse esperar ter “boas parcerias” com a presidenta eleita Dilma Rousseff (PT). “Nos colocamos à inteira disposição, reiterando a possibilidade de boas parcerias para a gente trabalhar junto pelo desenvolvimento brasileiro”, disse Alckmin em sua primeira entrevista após o resultado das eleições do segundo turno, realizada no Palácio dos Bandeirantes nesta quinta-feira.

Alckmin ligou para Dilma na última segunda-feira pela manhã para cumprimentá-la pela vitória. Sobre a subida de tom dos presidenciáveis no segundo turno, Alckmin disse ser normal o acirramento da campanha em sua etapa final e afirmou que agora caberá à oposição somente fiscalizar os atos de quem governa.

O governador eleito almoçou com o atual governador Alberto Goldman (PSDB), com o vice-governador eleito Guilherme Afif Domingos (DEM) e com o deputado Sidney Beraldo, que vai coordenar a transição, no palácio dos Bandeirantes.

Transição
Segundo Alckmin os secretários do governo não há “nenhuma pressa” na definição do secretariado e eles só serão anunciados a partir da segunda quinzena de novembro. Os trabalhos do grupo de transição começarão amanhã com representantes do atual governo e do novo no edifício Boa Vista, no centro da cidade de São Paulo. Os atuais secretários da Fazenda, Mauro Ricardo, do Planejamento, Francisco Luna, e da Casa Civil, Luiz Antonio Marrey devem participar das reuniões.

Possíveis mudanças na atual estrutura de secretarias estão sendo estudadas pela equipe. A principal delas é a possível criação de uma Secretaria dos Assuntos Metropolitanos, promessa de campanha de Alckmin.

Beraldo disse que o atual governo deve passar todas as informações requisitadas pela equipe de transição até o dia 11 de novembro. Ele disse não acreditar que ocorrerão mudanças muito grandes no atual orçamento para se adequar as propostas .

    Leia tudo sobre: Eleições Dilma; Eleições

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG