A um mês da eleição, Dilma adota estilo vovó à espera do 1º neto

Chegada do primeiro neto da petista, que deve acontecer nos próximos dias, já é usada como ferramenta de campanha

Andréia Sadi, iG Brasília |

Na reta final da campanha, a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, não esconde a euforia e a ansiedade, que vão além da vantagem da petista nas pesquisas eleitorais. Está prestes a ficar, como ela mesma definiu, “abobalhada”. Em Salvador , na última quinta-feira, o iG perguntou à candidata se os números que indicam vitória da campanha já no primeiro turno sobre os adversários não seriam o motivo para um “ sorriso diferente”, mas Dilma disse que não. A alegria da candidata atende pelo nome de Gabriel.

Agência Estado
Dilma e Dutra observam papagaios durante coletiva em que a petista anunciou que seria avó em poucos dias

Dilma anunciou que será avó “por esses dias” mas não precisou a data. Segundo ela, “barriga de mulher, boca de urna e cabeça de juiz ninguém controla”. Familiares da ex-ministra disseram ao iG que a expectativa é a de que o filho de Paula nasça até o dia 7 de setembro, mas pode ser adiado caso o parto não seja normal. "Eu vou ser avó. E percebo o peso que um neto tem para as mulheres na vida. Todos os avós que eu conheci ficam abobalhados. Quando nasce o filho da gente, a gente acha o mais bonito, mas às vezes não bate com a realidade. E com avó é igual”, declarou Dilma no último sábado, em Brasília.

A um mês da eleição, a única filha da petista, a advogada Paula, dará a luz um primeiro neto da ex-ministra, em Porto Alegre. Durante todo mês de agosto, o “estilo vovó” de Dilma passou a ser tema cada vez mais recorrente nas coletivas e discursos da candidata quando em viagens de campanha pelos Estados.

Desde o começo da campanha, a ex-ministra da Casa Civil priorizou visitas ao Estado para acompanhar a filha em exames. Dilma negou que vá diminuir o ritmo das atividades já que assumiu a dianteira das pesquisas, mas abrirá uma exceção para acompanhar o momento da filha. A ex-ministra, no entanto, não precisou de quanto tempo será essa folga.

“Se der de jeito, como diz em Minas Gerais, eu vou pelo menos curtir um dia. Pelo menos. É um momento que todo mundo entende e é muito especial. Se der mais de um dia, eu também curto”, disse em Brasília. “Eu ligo todo dia para ela, mas não estou perto dela”, lamentou.

Paula, que é filha de Dilma com o também advogado Carlos Araújo , não participa ativamente da campanha da mãe e está fora dos programas eleitorais na TV. O entrave, segundo a assessoria jurídica da campanha, é a de que Paula, por ser servidora pública, teria problemas com a Justiça Eleitoral se gravasse depoimento para Dilma. Além das fotos de quando era menina, Paula poderá aparecer na TV no papel assim que Gabriel nascer.

O marqueteiro João Santana estuda levar ao ar gravações de Dilma na maternidade com o primeiro neto, para reforçar o lado humano da candidata, estratégia usada durante toda a campanha para sepultar a imagem de “dama de ferro”.

    Leia tudo sobre: eleições Dilmapleito 2010

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG