Em Salvador, Pelegrino diz que adversário faz campanha insidiosa

Candidato do PT à prefeitura da capital baiana, Nélson Pelegrino, chamou faz críticas à campanha que seu principal adversário, ACM Neto (DEM), fez nas últimas semanas

iG Bahia |

O candidato do PT à prefeitura de Salvador, Nélson Pelegrino, chamou de "insidiosa" a campanha que seu principal adversário, ACM Neto (DEM), fez nas últimas semanas. Na quarta-feira (3), duas mulheres, uma delas menor de idade, foram detidas com panfletos, cuja autoria o PT atribuiu ao adversário, associando Pelegrino ao mensalão além de ser a favor do aborto, do casamento gay e da legalização das drogas. A Polícia Federal investiga quem produziu o material.

Acompanhe a cobertura completa das eleições 2012

Veja fotos do impacto do material de campanha pelas ruas

"Fizemos a campanha limpa e vamos continuar fazendo. A coligação do DEM fez, na última semana, infelizmente, uma campanha insidiosa, com panfletos apócrifos nas ruas. Mas o eleitor de Salvador é sábio", afirmou.

Pelegrino insistiu no que tem sido a tônica de seu discurso: o alinhamento das esferas federal, a presidente Dilma Rousseff, estadual, o governador Jaques Wagner, e municipal, caso ele seja eleito, todas controladas por petistas. "A minha candidatura representa o projeto vitorioso de Lula e Dilma, que deu certo para o Brasil, e na Bahia, por Jaques Wagner. e a do meu adversário representa outra".

Acompanhado de familiares e correligionários, disse esperar um triunfo já no primeiro turno. "Agradeço à população de Salvador, que acreditou no nosso projeto. Apresentamos propostas concretas e viáveis para a cidade. Estamos muito otimistas para a vitória neste 7 de outubro. Mas se não conseguir vamos ganhar no segundo turno", afirmou Pelegrino.

O petista preferiu não comemorar o resultado da pesquisa do Ibope, divulgada no último sábado (6), que lhe dá 43% contra 37% do segundo colocado, ACM Neto (DEM). "Pesquisa é um momento, nós temos que respeitá-la, mas a pesquisa final é a vontade soberana dos eleitores nas urnas", disse o candidato.

De acordo com Pelegrino, ele recebeu palavras de incentivo de cunho religioso de eleitores. "Deus lhe proteja, Deus está no comando, Jesus Cristo lhe ilumine, Jesus Cristo vai dar a sua vitória. Essas foram as palavras que recebi nesta cidade", disse.

Homem forte da campanha de Pelegrino, e principal articulador da coligação de 15 partidos, Wagner não votou no prefeiturável da capital baiano. Com domicílio eleitoral em Camaçari (região metropolitana de Salvador), o governador votou em Ademar Delgado (PT).

A assessoria do DEM negou que tenha produzido panfletos apócrifos e qualquer ato de baixaria.

*Com informações de João Paulo Gondim Cardoso, especial para o iG


    Leia tudo sobre: eleições2012eleições2012bahiaSalvadorcandidatos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG