Você viu e aprendeu: Cinco filmes sobre matemática

Os números estão por toda parte. Nós mesmos somos números no mundo em que vivemos e não há como fugir deles, mesmo para aqueles que têm na matemática a pedra no seu sapato entre as disciplinas estudadas nas escolas. Os cálculos, os problemas, as equações... sempre estarão presentes no nosso dia-a-dia.

Carlos Ferreira |

Mas, para mostrar que este problema não é nenhum bicho de sete cabeças (olha os números aí), separamos cinco filmes em que a matemática se faz presente e que podem ser um estímulo para que você veja esta disciplina, às vezes tão temida, com outros olhos e até se sinta estimulado a botar a cuca para funcionar deixando a calculadora de lado.

Mente Brilhante

Este filme de 2001 retrata a vida real de John Nash (Russell Crowe), um gênio da matemática que, aos 21 anos, formulou um teorema que provou sua genialidade e o tornou aclamado no meio onde atuava. Criou sua fórmula ao se opor ao conceito clássico de Adam Smith a respeito da competição (entendida como forma de estímulo para o avanço rumo a um objetivo, a uma lucratividade). Nash elaborou um conceito em que o essencial seria a colaboração do grupo para que todos conseguissem chegar a algum lugar, a certo objetivo, a um lucro final.

Mas aos poucos o belo e arrogante John Nash se transforma em um sofrido e atormentado homem, que chega até mesmo a ser diagnosticado como esquizofrênico pelos médicos que o tratam. Em meio a fórmulas e teorias, após anos de luta para se recuperar, ele consegue retornar à sociedade e acaba sendo premiado com o Nobel.



Gênio Indomável

Em Boston, um jovem de 20 anos chamado Will Hunting (Matt Damon) que já teve algumas passagens pela polícia e é servente de uma universidade, revela-se um gênio em matemática e, por determinação legal, precisa fazer terapia, mas nada funciona, pois ele debocha de todos os analistas, até se identificar com um deles, Sean Maguire (Robin Williams).

Neste longa de 1997, o gênio escondido por trás de Will Hunting foi descoberto quando um professor coloca no quadro-negro um problema matemático que julga ser de impossível solução pelos alunos que freqüentam suas aulas. Alguns dias depois, o professor é surpreendido com a resposta anotada numa das lousas do corredor da universidade, assim como a solução do problema equacionada em suas diversas etapas.

Esta obra é considerada uma inspiração para descobrirmos o gênio que existe dentro de cada um de nós e um estímulo para corrermos atrás de uma chance de nos aprofundar, expandir e aperfeiçoar nossos conhecimentos.



Shrek Terceiro

Nesta animação de 2007, o rei Harold, pai de Fiona (Cameron Diaz), morre repentinamente. Com isto Shrek (Mike Myers) precisa ser coroado rei, algo que ele jamais pensou em ser. Juntamente com o Burro (Eddie Murphy) e o Gato de Botas (Antonio Banderas), ele precisa encontrar alguém que possa substituí-lo no cargo de soberano do Reino de Tão, Tão Distante. O principal candidato é Artie (Justin Timberlake), um jovem desprezado por todos em sua escola, que é primo de Fiona.

Na cena em que o Príncipe Encantado interroga Pinóquio sobre o paradeiro de Sherek, o boneco utiliza como respostas proposições ou sentenças lógicas, que são sentenças declarativas, que expressam significados que podemos, a princípio, determinar se são verdadeiros ou falsos, que é estudado pela lógica matemática.



Número 23

Walter Sparrow (Jim Carrey) é um simplório pai de família, que ganhou um livro de presente de sua esposa, Agatha (Virginia Madsen). Chamado "O Número 23", o livro narra a obsessão de um homem com este número e como isto começa a modificar sua vida. Ao lê-lo, Walter reconhece várias de suas passagens, como sendo situações que ele próprio viveu. Aos poucos ele nota a presença do número 23 em seu passado e também no presente, tornando-se cada vez mais paranóico. Como o livro termina com uma morte brutal, Walter passa a temer que ele esteja se tornando um assassino.

No longa de 2007, o personagem de Jim Carrey realiza várias contas utilizando datas e outros números que acabam dando como o resultado final o número 23, que tanto o persegue. Além disso, o espectador vai se envolvendo desde os créditos iniciais com a simbologia do número 23, que determina, por exemplo, a quantidade das leis naturais em que se baseia a geometria e que todo ser humano recebe, ao ser gerado, esse número de cromossomos de cada pai.



Quebrando a banca

No filme de 2008, Ben Campbell (Jim Sturgees) é um jovem tímido e superdotado do MIT (Instituto Tecnológico de Massachusetts) que, precisando pagar a faculdade, busca a quantia necessária em jogos de cartas. Ele é chamado para integrar um grupo de alunos que, todo fim de semana, parte para Las Vegas com identidades falsas e o objetivo de ganhar muito dinheiro. O grupo é liderado por Micky Rosa (Kevin Spacey), um professor de matemática e gênio em estatística, com quem consegue montar um código infalível. Contando cartas e usando um complexo sistema de sinais, eles conseguem quebrar diversos cassinos.

Além de estimular nos estudantes o uso da lógica por meio de um jogo conhecido no Brasil como 21, o longa também discute em duas passagens o Método de Newton, que tem como objetivo estimar as raízes de uma função, e o matemático Augustin-Louis Cauchy, um dos fundadores da teoria de grupos finitos.



Leia mais sobre: Filmes

    Leia tudo sobre: filmesmatemática

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG