Novas regras não assustam candidatos da Unesp

'Não muda muita coisa. Agora, na segunda fase, só tem nerd', diz Luiz Felipe Campolongo, 20, que presta Engenharia Civil; calor aumenta venda de água

iG São Paulo |

As mudanças na prova da Universidade Estadual Paulista (Unesp), que realiza sua segunda fase neste domingo e amanhã , não devem ter grande relevância na classificação final, segundo a maioria dos vestibulandos ouvidos pelo iG . "Não adianta nada. Por mais que mudem a fórmula, sempre os mais bem preparados é que vão passar", resumiu Janaína Dias, 19 anos, que concorre a uma vaga no curso de Veterinária.

A Unesp aumentou a nota de corte de vários cursos em relação à última prova. "Não muda muita coisa. Agora, na segunda fase, só tem nerd", afirmou Luiz Felipe Campolongo, 20 anos, que presta para Engenharia Civil.

Nesse curso, a nota de corte na primeira fase subiu de 58 para 60. De 1,3 mil estudantes da primeira fase, restaram apenas 300 que concorrerão a 40 vagas. "Muita gente passou no limite da nota de corte, mas tem aqueles que fizeram 70, 75 pontos e vão carregar essa nota para o resultado final. Eles estão em vantagem tanto na nota quanto no conhecimento", disse Luiz Felipe.

Um dos poucos a discordar foi Thiago Beck, de 20 anos, que concorre a Psicologia. Para ele, o aumento na nota de corte reduz o número de concorrentes na segunda fase e, portanto, aumenta as chances dos classificados. "Se a nota de corte fosse mais baixa, várias pessoas que não sabiam muita coisa na primeira fase poderiam ter mais sorte na segunda fase e mesmo quem não sabe responder à questão inteira pode fazer alguma coisa."

Na prova deste domingo, os alunos respondem a 24 questões dissertativas e, na avaliação de vários concorrentes, isso possibilita uma chance a mais. A prova terá 4h30 de duração e será encerrada às 18h30, nos dois dias.

Além da ansiedade, da concorrência, do cansaço, os alunos tiveram de enfrentar um calor escaldante de 27ºC. Antes da prova, os vestibulandos disputavam lugar nas sombras das árvores perto do local da prova no campus Água Branca da Unip.

Nas dezenas de barraquinhas de vendedores ambulantes, a água gelada era o item mais disputado. "A gente sempre vende bastante água, mas hoje com esse calorão os meninos estão levando até três garrafas para a prova", disse a vendedora Sonia Dias, que também vendia lápis, caneta preta, borracha e régua na porta do local dos exames.

Muitos enfrentam também o desgaste provocado pela maratona de vestibulares. É o caso de Juliana Queiroz, 20 anos, que presta Medicina e já fez nove provas desde o final de novembro. "O psicológico fica totalmente bagunçado. A gente começa a duvidar da nossa capacidade. Tem muita gente que acaba desistindo."

A segunda etapa

Foram chamados para a segunda etapa 38.765 candidatos, que disputarão 6.629 vagas para as 156 opções de cursos em 28 unidades da Unesp localizadas em 19 cidades de todas as regiões do Estado de São Paulo (Araçatuba, Araraquara, Assis, Bauru, Botucatu, Franca, Guaratinguetá, Ilha Solteira, Itapeva, Jaboticabal, Marília, Presidente Prudente, Rio Claro, Rosana, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, São Vicente e Tupã).

Além das 19 cidades com oferta de cursos, as provas são aplicadas também nas seguintes cidades: Americana, Campinas, Dracena, Guarulhos, Jundiaí, Ourinhos, Piracicaba, Registro, Ribeirão Preto e Sorocaba. O menor índice de ausentes na primeira fase, 4,8%, foi registrado em Ourinhos. O maior, 16,4%, em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

Os cursos mais concorridos são os de Medicina (170,9 candidatos por vaga) , Direito (59,3), Engenharia Civil (52,3), Arquitetura e Urbanismo (44,9) e Engenharia de Produção Mecânica (40,3).

O resultado final será divulgado em 27 de janeiro no site da Vunesp e também no da Unesp .

    Leia tudo sobre: vestibularunesp

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG