Para candidatos, Fuvest estava mais fácil do que o esperado

Estudantes reclamam das questões de exatas, mas acham a prova menos difícil que a edição anterior; 1ª fase aconteceu neste domingo

Cinthia Rodrigues, iG São Paulo |

Os candidatos que prestaram a primeira fase da Fuvest neste domingo na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) destacaram o alto grau de dificuldade das questões de exatas, mas em geral avaliaram que a prova estava mais fácil do que o esperado. A prova teve 90 questões de múltipla escolha e cinco horas de duração - terminou por volta das 18h. Dos 146.892 candidatos inscritos, 14.621 faltaram, 9,95% de abstenção . No vestibular passado, esse índice foi de 7,79%.

Veja também: Caderno de prova e gabaritos da Fuvest 2012

Felipe Angélico dos Santos, um dos últimos a sair do prédio de engenharia civil da Poli, exatamente onde pretende estudar, disse que esta prova estava mais fácil do que a Fuvest 2011, que ele fez como simulado. “Achei que biologia, português, inglês estavam bem fáceis, mas matemática tava difícil”

A mesma opinião tem Jéssica Rayane Barbosa, de 18 anos, que tenta uma vaga em Marketing e está confiante de que foi para a segunda fase. “Se a nota de corte for por volta de 30 como no ano passado, eu devo passar”, acredita.

Paula Lerrer, 17 anos, que tenta uma vaga em História, disse que inglês estava “ridículo de fácil”, português “tranquilo” e história “pura interpretação de texto”. “As de exatas tive que chutar várias, mas como um todo achei que a prova estava mais fácil do que eu esperava”, disse.

Amanda Shinohara, de 17 anos, presta para Publicidade e apesar de ter feito a prova no tempo mínimo, diz que leu todas as questões com atenção. A parte de Química foi a mais difícil para a vestibulanda. “Matemática ainda dava para tentar fazer. E inglês estava muito fácil”, comentou.

A xará Amanda Kyohara, de 18 anos, tenta uma carreira da área de biológicas, está inscrita para Engenharia Ambiental, mas concorda que as questões de química e biologia eram as mais complicadas de resolver. “Em geral eu fui melhor nas de humanas”, disse.

O estudante Donato Penetta Neto, de 17 anos, apesar de ser candidato à Engenharia Mecânica, achou que as questões mais difíceis eram da área de matemática e física, justamente as que a graduação escolhida exige mais. “Acho que a Fuvest estava mais difícil mesmo, porque prestei também Unicamp e não achei tive tanta dificuldade assim. Para passar na USP, acho que vou ter que fazer mais um ano de cursinho”, diz o estudante que fez quatro meses de intensivo neste segundo semestre.

Amana Salles/Fotoarena
Diego Turqueti levou flores para a namoranda e vestibulanda Elis Regina. "Ela estava nervosa"
Já Nathan Schiavon, de 17 anos, que vai prestar para Arquitetura e fez um ano inteiro de cursinho junto com o ensino médio, acha que vai passar para a segunda fase. “Realmente física estava difícil, mas acredito que com o restante das disciplinas chego à pontuação necessária.”

Flores

Diego Turqueti, de 20 anos, veio buscar a namorada Elis Regina que presta para administração junto com a candidata à sogra Luciene Ribeiro Pereira. “Como ela estava muito nervosa, comprei essas flores para animá-la”, contou.

    Leia tudo sobre: Fuvest 2012USPvestibular

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG