Treineiro chega com mais de duas horas de antecedência. Maior vestibular tradicional do País aplica prova neste domingo

Às 10h30 da manhã, Lucas Erick Lopes, 16 anos, já estava em frente à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) onde vai prestar a Fuvest 2012, dentro da Cidade Universitária, no Butantã. Treineiro, ele veio a pé do Rio Pequeno, bairro também da zona Oeste, e levou trinta minutos até a porta do câmpus.

Veja também: Caderno de prova e gabaritos da Fuvest 2012

“Calculava que levaria mais uns 20 minutos caminhando até o prédio da Poli. Acabei chegando cedo, porque tinha ônibus circular aqui dentro”, conta. A ansiedade de Lucas se deve a escolha da carreira, ele quer fazer Medicina, curso com a maior nota de corte e o segundo mais concorrido este ano. Lucas estuda na Escola Estadual Solon Borges dos Reis e apesar de ainda não estar concorrendo à vaga, admite que já está nervoso.

Assim como ele, mais de 146 mil candidatos devem prestar a primeira fase da Fuvest neste domingo. Esta edição da Fuvest seleciona estudantes para 10.852 vagas na USP e 100 na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e tem 18 mil treineiros inscritos. A prova será composta de 90 questões de múltipla escolha sobre todas as disciplinas do ensino médio e terá cinco horas de duração.

Apoio familiar

Também entre os primeiros a chegar ao prédio da Poli estava Taynara Matsui Silva, que apesar de ter 16 anos, já está no terceiro ano e concorre a uma vaga em Odontologia. Ela e o avô, Antonio Souza Silva, de 68 anos, chegaram cedo com receio de que pudessem se perder no câmpus. “É a primeira vez que eu trago alguém da família para prestar este vestibular. Os pais até podiam vir, mas eu fiquei muito orgulhoso e quis vir eu mesmo”.

O clima é tranquilo nos arredores do prédio da Poli. Não há cartazes, nem protestos dos estudantes grevistas da USP, que pedem a saída da PM do câmpus , e trânsito flui normalmente nos arredores.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.