Área deverá abrigar projetos que compartilhem trabalhos científicos. Outras obras para o câmpus esperam autorização da reitoria

A Universidade de São Paulo (USP) deve ganhar um prédio para divulgação da produção científica a estudantes do ensino médio na Escola de Artes, Ciências e Humanidades, a Usp Leste. O edifício, batizado de Casa da Ciência, abrigará projetos que aproximem a instituição de escolas públicas.

USP Leste deve ganhar prédio de divulgação da produção científica. Outros edifícios estão
Divulgação
USP Leste deve ganhar prédio de divulgação da produção científica. Outros edifícios estão "na fila"
O anúncio foi feito pelo pró-reitor de Pesquisa, Marco Antonio Zago, durante visita ao câmpus em que pediu o apoio de professores e coordenadores de curso com a apresentação de propostas de atividades no novo espaço. Segundo ele, a reitoria já autorizou a construção do novo edifício que contará com salas de aula, anfiteatro e laboratórios. A USP Leste foi escolhida para ser sede do projeto por conta da proximidade com a maior parte dos alunos de escolas públicas da cidade.

Unidades da USP no interior de São Paulo, como Ribeirão Preto, já fazem o trabalho de divulgação das pesquisas para adolescentes. “O programa é o início de um relacionamento com o possível estudante universitário para despertar o interesse pela continuação dos estudos e pela vida acadêmica, não necessariamente na USP, mas para a vida dele de forma geral”, afirma o diretor da unidade, Jorge Boueri. A previsão é que o projeto tenha início dentro de um ano e meio.

Outras ampliações

Inaugurada em 2005, a USP Leste aguarda várias obras de ampliação. Em 2009, o Conselho Técnico estabeleceu três prioridades: o prédio da pós-graduação, um edifício para pesquisa e extensão e o prédio laboratorial para o curso de Textil e Moda. Os três já estão com projetos executivos prontos e orçamento reservado e aguardam apenas a aprovação da reitoria para abertura de licitação. “Estes estão na fila da sequência de obras da USP como um todo”, diz Boueri.

Depois deles, as prioridades estabelecidas foram o sistema de segurança para o campus e a piscina, reivindicada pelo curso de Ciência da Atividade Física e que fazia parte do croqui inicial do câmpus.

Atualmente, está em fase final o prédio da Incubadora Social, que deverá receber projetos de empresas voltadas para serviços sociais a partir de janeiro do ano que vem.

No início do ano, um relatório que sugeria o remanejamento e o fechamento de 300 das 1.020 vagas atuais causou polêmica, mas depois de protestos nenhuma mudança foi feita . "Isso é passado, não se fala mais nisso", garantiu Boueri.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.