Universidade descredenciada pelo MEC é elogiada por alunos e pais

Estudantes fizeram reunião na noite desta segunda-feira para tentar reverter fechamento e evitar transferências

Cinthia Rodrigues, iG São Paulo |

Estudantes da Universidade São Marcos, descredenciada pelo Ministério da Educação (MEC) nesta segunda-feira, afirmam que não querem mudar de instituição e que estão satisfeitos com seus cursos. Segundo o governo, eles devem ser transferidos em até três meses para outras instituições, mas alunos ouvidos pelo iG na noite desta segunda-feira elogiaram o corpo docente e a grade da instituição e disseram que farão o possível para concluir os estudos ali.

O caso: São Marcos é descredenciada e alunos têm 90 dias para se transferir

A notícia do fechamento surpreendeu os envolvidos. Todos sabiam que a São Marcos passava por problemas financeiros, inclusive com atraso de pagamento de professores, mas o descredenciamento não era uma hipótese comentada.

“Nós temos nota 4 no Enade (que vai de 1 a 5), professores ótimos, somos um grupo unido, não é justo que o Ministério da Educação não considere isso e feche a instituição por questões financeiras”, reclamou Luiz Gonzaga Gomes, de 32 anos, que está no penúltimo semestre de Psicologia. “O MEC devia perguntar nossa opinião”, emendou a colega Mariana Gorayebe, 22 anos.

O grupo e outras dezenas de estudantes se reuniram para planejar ações que levem o Ministério a rever a decisão. Eles prometem enviar e-mails ao ministro Aloizio Mercadante e organizar protestos contra a medida.

A dona de casa Zuleide Silva, mãe de uma estudante do último ano enche os olhos de lágrima ao falar do fechamento. “Dá para ver pela minha cara que já chorei muito, né? Eu me sinto parte da família São Marcos, não acho que minha filha vá achar outro lugar igual. Só tenho razões para falar bem.”

Equipe do MEC foi recebida em novembro

O presidente da Comissão de Coordenadores e Diretores, Armando Costa e Silva, afirmou que a direção está chocada com o anúncio que foi conhecido primeiro pela imprensa. Ele e a reitora, Maria Aurélia Varela, assumiram no final do ano, depois que a família mantenedora foi afastada e um interventor judicial indicado. Desde então, contam que estavam preparando os papéis para responder ao MEC e não receberam aviso com prazo.

“Há problemas sim estruturais, financeiros e de documentação. Mas eles são administrativos e a qualidade de ensino é facilmente comprovada”, garante. Segundo ele, a reitora está em Brasília nesta semana recorrendo ao Conselho Nacional de Educação. “Vamos buscar todas as brechas.”

A mensalidade da Universidade São Marcos não está entre as mais baratas de São Paulo. No curso de Psicologia custa R$ 900, mas os estudantes dizem que é “a mais barata neste nível”. “Tem faculdade de R$ 200, R$ 300, mas sem nome, sem professores comprometidos. As que são no mesmo nível desta custam mais caro”, afirmam.

Bolsistas perderiam 4 anos

Costa e Silva destaca ainda a situação de 300 alunos de Heliópolis, comunidade carente de São Paulo, que perderiam quatro anos de estudo com o fechamento. “Eles entraram aqui com um convênio e pagam entre zero e R$ 100. Isso inclusive gerou muito voto para Lula e Dilma. Quem vai falar para eles agora que vão sair sem o diploma?”

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG