Uerj investiga concurso para professor de Ginecologia e admite anulação

Após reportagem do iG, processo administrativo vai apurar se houve “má-fé e irregularidades”. Selecionados não têm doutorado exigido e são orientandos do organizador

Raphael Gomide, iG Rio de Janeiro |

Reprodução
Presidente da comissão organizadora, Marco Aurélio Pinho de Oliveira é orientador dos dois selecionados
A Uerj (Universidadade do Estado do Rio de Janeiro) abriu nesta quinta-feira (19) processo administrativo para investigar se houve “má-fé” e “irregularidades” no concurso para professor-adjunto de Ginecologia da Faculdade de Medicina , em dezembro. A assessoria de imprensa da universidade informou que, caso sejam comprovadas irregularidades, o certame será anulado.

O iG revelou que o concurso está sob suspeita e que um dos candidatos representou ao Ministério Público do Estado, alegando supostas irregularidades.

De acordo com a assessoria de imprensa da Uerj, o reitor, Ricardo Vieiralves, voltou de férias nesta quinta-feira e “instaurou um processo administrativo para apurar possíveis irregularidades no concurso”. “Se for constatado que houve má-fe e irregularidades, o concurso será anulado. Do contrário, o concurso será homologado. Em última instância, será julgado pelo Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão da Uerj”, informou a nota.

A reportagem mostrou que os classificados para as duas vagas oferecidas, Thiago Dantas e Alessandra Evangelista, são atualmente orientandos do presidente da comissão organizadora, Marco Aurélio Pinho de Oliveira, e integram sua equipe cirúrgica na esfera particular e no Hospital Universitário Pedro Ernesto. O diretor de Avaliação do Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Capital de Nível Superior, do MEC), Lívio Amaral, afirmou, em tese, que pode haver conflito de interesse nessa relação.

Nenhum dos dois tem doutorado, exigência para a vaga. Alessandra não tem nem mestrado, que cursa sob a orientação de Marco Aurélio. O presidente da comissão organizadora também designou para a presidência da banca Hildoberto Oliveira, seu pai e professor aposentado da Uerj. Além disso, o edital e as questões da prova para professor de ginecologia foram quase todas voltadas para laparoscopia, especialidade do presidente da comissão e dos dois selecionados.

Marco Aurélio Pinho de Oliveira, chefe do Departamento de Ginecologia da Faculdade de Medicina da Uerj, nega ter havido interferência sua ou irregularidades . Segundo ele, "o concurso transcorreu sem problemas, e a banca foi totalmente idônea".

Em clima de muita tensão, o concurso teve protesto, discussões aos gritos entre candidatos que se sentiram prejudicados e a banca, e o abandono de um dos postulantes, Robério de Souza Damião, indignado.

A assessoria da Uerj também afirmou que “o candidato que se sentiu lesado também pode entrar com recurso na respectiva unidade, a Faculdade de Ciências Médicas”.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG