Tecnologia melhora ensino para deficientes visuais, mas material em braile é insuficiente

BRASÍLIA - Os avanços tecnológicos vêm facilitando o aprendizado das pessoas com deficiências visuais nos últimos anos de acordo com a professora da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB). Segundo ela, a tecnologia têm sido uma ferramenta importantíssima para inclusão das pessoas com deficiência visual na educação e no trabalho.

Agência Brasil |

Em entrevista hoje (5) à Rádio Nacional, Patrícia disse que praticamente todos os estados brasileiros produzem material em braile e que há constante solicitação de professores para atender alunos com deficiência visual.

É claro que a gente ainda tem uma ou outra questão em que os recursos precisam ser mais disponibilizados, mas eu acredito que a gente melhorou muitíssimo nos últimos 10, 12 anos, na qualidade dos serviços educacionais e na quantidade dos serviços prestados. Isso tem permitido a presença de muito mais pessoas com deficiência nas escolas, no mundo do trabalho e em diversos espaços sociais afirmou a professora.

Para Jonir Bechara Cerqueira, da Comissão Brasileira para o Bicentenário de Louis Braille (criador do sistema de escrita que permite aos cegos a leitura por meio do tato), no entanto, o material produzido na linguagem em braile ainda é insuficiente para as pessoas com deficiências visuais.

Segundo Cerqueira, a falta de diversificação do material e de apoio da iniciativa privada seriam algumas das causas do atendimento parcial à demanda por livros em braille.

Quantitativamente, a produção está aquém do necessário. Nos Estados Unidos, existe a produção em braile voluntária feita  por organizações privadas. Aqui fica mais a cargo do Estado argumentou, lembrando que além dos livros em braile também há os gravados, mas esses não podem ser usados em disciplinas como química e matemática.

O bicentenário de Louis Braille foi comemorado ontem (4). Ele ficou cego aos três anos e estudou utilizando a primeira iniciativa para a educação de pessoas com deficiência visual, criada por um nobre francês, que colocava em relevo as letras de forma que as pessoas cegas poderiam tocá-las com os dedos e acompanhá-las.Mais tarde Louis entrou em contato com um sistema de pontos e traços em relevo criado por um oficial francês para os soldados se comunicarem durante a noite nos períodos de guerra.

Ele pensou bom, então eu preciso inventar alguma coisa que possibilite às pessoas cegas a leitura, pelo tato foi quando ele se dedicou muitíssimo a isso e organizou um sistema de seis pontos em relevo, que podem ser sentidos e, com isso, construiu 63 símbolos afirmou Raposo. O sistema chegou ao Brasil em 1850.

Com a reforma ortográfica da língua portuguesa as publicações em braile também terão que ser adaptadas para seguir as novas regras.

O Laboratório de Apoio ao Deficiente Visual da UnB terá oficinas especiais durante o ano em comemoração ao bicentenário de Braille. O laboratório oferece curso de braille para a comunidade universitária e também para o público externo.

A data também está sendo lembrada pelos Correios que lançaram hoje um selo comemorativo, com design do artista Ricardo Cristofaro.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG