Governo diz que unidades terão 100 mil alunos e a rede estadual tem 4,5 milhões de estudantes

O governo de São Paulo anunciou nesta sexta-feira o investimento de R$ 13 milhões para ampliar os Centros de Estudos de Língua da rede. Com o dinheiro, serão criadas mais 142 unidades, ampliando o número de centros dos atuais 106 para 248 em todo o Estado. Dessa forma, o programa aumentará de 60 mil para 100 mil o total de alunos beneficiados, que terão a oportunidade de aprender gratuitamente um novo idioma, ou seja, 2% do total de 4,5 milhões de alunos.

Até o último semestre, além dos centros, 80 mil estudavam em escolas particulares com bolsas por conta de convênios que a Secretaria Estadual de Educação mantinha com instituições como Cultura Inglesa, CCAA e Wizard. O convênio foi interrompido por conta da expansão dos programa. Como a ampliação é de 40 mil vagas, ainda há um prejuízo em relação ao atendimento anterior.

Poderão se inscrever alunos matriculados a partir do 7º ano. O início das aulas nos novos CELs deve ocorrer ao longo deste semestre. A lista de unidades está no site da Secretaria Estadual de Educação www.educacao.sp.gov.br . “É importante que os alunos da rede estadual tenham uma perspectiva do mundo e do conhecimento que extrapole não somente o âmbito de sua comunidade, mas também de seu próprio País. Essa abertura de horizontes é um dos principais fatores para a valorização de nossos jovens no mundo da cultura e do trabalho”, disse o secretário de Estado da Educação, professor Herman Voorwald.

Para matricular-se, o interessado deve procurar uma escola que mantenha um CEL, munido de atestado de matrícula, e optar pelo idioma que deseja cursar.

O anúncio da expansão do programa foi feito na Escola Estadual Alexandre de Gusmão, no bairro do Ipiranga, onde se encontra um dos 20 CELs em atividade na capital. Atualmente, a rede também dispõe de outros 18 nos demais municípios da Região Metropolitana e 68 no interior, todos em cidades com população superior a 50 mil habitantes. Para manutenção dessas unidades, o Governo do Estado investe R$ 19,5 milhões, uma média de R$ 327 por aluno. Somando os novos centros, serão 28 unidades na capital, 33 na Região Metropolitana e 187 no interior e litoral, que totalizarão um investimento de R$ 33 milhões no programa.

Resultadose números

As taxas de desempenho dos estudantes nos cursos são consideradas muito positivas pelos especialistas. No ano passado, o índice de aprovação foi de 81,6%.

André do Vale Oliveira, 18 anos, por exemplo, se formou nos cursos de espanhol e alemão no CEL da Escola Estadual Estevam Ferri, em São José dos Campos. No fim do curso de alemão, o estudante se classificou no exame de proficiência internacional, denominado FIT, promovido pelo Instituto Goethe, em São Paulo, no final de 2010, e ganhou uma bolsa de estudos na Alemanha.

O aluno acaba de voltar do País, onde fez um curso intensivo do idioma, além de passeios e viagens durante um período de 20 dias. André considera um importante diferencial falar os dois idiomas, principalmente alemão, e acredita que os cursos abriram e abrirão muitas portas.

Atualmente, o idioma espanhol é o mais procurado pelos estudantes, contando em 2011 com 42.662 alunos; por ordem de preferência, vem em seguida o inglês, com 8.137 alunos, o francês, com 4.358 alunos, o italiano, com 2.162 alunos, o alemão, com 1.578 alunos, e o japonês, com 835.

Com exceção do curso de inglês, que tem duração de um ano, divido em dois semestres de 120 horas de aula cada um, os demais cursos têm duração de três anos, em módulos de seis semestres, com duração total de 480 horas. São ministradas quatro aulas semanais de 50 minutos de duração, em diferentes horários para facilitar o comparecimento dos alunos que trabalham.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.