Uma grande descoberta pode mudar a visão dos astrônomos e cientistas sobre os anéis de Saturno. Até então cientistas acreditavam que os anéis eram perfeitamente planos, mas novas imagens captadas pela sonda Cassini revelaram extensas ondulações de nuvens de poeira durante o equinócio do planeta, em agosto.


Algumas irregularidades são comparáveis às montanhas rochosas do oeste dos Estados Unidos. "É como colocar um óculos 3D e ver a terceira dimensão pela primeira vez", disse Bob Pappalardo, cientista do projeto Cassini, em nota divulgada pela agência espacial americana. "É um dos eventos mais importantes que a sonda já nos mostrou", acrescentou Pappalardo.

No dia 11 de agosto, a luz do Sol atingiu diretamente a borda dos anéis de Saturno, causando o efeito óptico e durante uma semana os cientistas usaram a sonda Cassini para observar elevações que se projetassem paralelo ao plano dos anéis.

Estudiosos já sabiam das projeções verticais, mas não eram capazes de medir a altitude e largura das ondulações sem a ajuda das sombras projetadas pelo equinócio. Isso ocorre duas vezes em cada órbita do planeta, que demora 11 mil dias ou 30 anos para se completar.

"A maior surpresa foi enxergar tantos locais de relevo vertical acima e abaixo de anéis, comentou Linda Spilker, cientista do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da Nasa.

Segundo os astrônomos, ondulações que a Cassini já tinha visto por mais de 800 km no anel D parecem ondular um total de 17.000 km pelos anéis C e B. Uma onda de partículas de gelo, criada pela atração gravitacional da lua Dafne alcança incrivelmente 4 km de altitude.

Foto: Imagem de Saturno e seus anéis visto pela sonda interplanetária Cassini. A cena foi feita um dia após o "equinócio de Saturno", quando os raios de Sol atingem diretamente a região equatorial do planeta, fenômeno que ocorre duas vezes a cada órbita do planeta. Crédito: Nasa.


Leia mais sobre: Saturno

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.