Sobra de vagas pela seleção do SiSU muda calendário e preocupa universidades

As inscrições para a segunda etapa do Sistema de Seleção Unificada (SiSU) do Ministério da Educação terminaram neste sábado. De acordo com o MEC, 550.972 estudantes disputam as 29.240 vagas oferecidas nessa etapa. Isso significa que quase 19 candidatos concorrem a cada vaga nas 51 instituições participantes do sistema de seleção, cujo critério de distribuição das vagas se baseia na nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A concorrência é ainda mais alta do que na primeira fase.

Priscilla Borges, iG Brasília |

Resta saber se, desta vez, a totalidade das vagas ¿ ou quase todas ¿ será preenchida. Na primeira fase de seleção, que ocorreu de 29 de janeiro a 3 de fevereiro, 793,9 mil estudantes se inscreveram no sistema. Eles concorriam a 47.913 vagas em 51 instituições, entre universidades e institutos federais de educação, ciência e tecnologia. Apesar da também forte concorrência (16 candidatos por vaga), 60% delas deixaram de ser preenchidas.

Os organizadores da seleção acreditam que a sobra de tantas vagas para a segunda etapa se explica por conta do nível dos alunos selecionados na primeira leva. Para eles, esses candidatos foram aprovados em outros vestibulares e desistiram de assumir as vagas conseguidas no SiSU. Na mesma semana em que o período de matrículas nas universidades participantes do sistema foram abertas, os resultados dos processos seletivos de instituições importantes como a Unicamp e a USP foram divulgados.

Apesar de reconhecerem esse quadro, universidades que decidiram apostar no sucesso do SiSU ouvidas pelo iG admitiram que não esperavam uma sobra tão grande de vagas para essa segunda fase de seleção. Maria Dilma de Lima, presidente da Comissão Permanente de Seleção (Copese) da Universidade Federal do Tocantins (UFT), admite que o resultado foi uma surpresa. Das 402 vagas oferecidas pela instituição no SiSU, 273 ficaram em aberto.

Foi bom para vermos que a maioria dos estudantes que efetivaram a matrícula era mesmo de Tocantins. Tivemos candidatos de todo o Brasil, mas eles não se matricularam, conta. Segundo ela, dos 129 candidatos que efetivaram a matrícula, 67% residem no Tocantins. Acho que a localização geográfica é uma questão central. Temos campus espalhados por todo o estado, a maioria no interior. Acho que os candidatos de fora desistiram por conta disso, ressalta.

Calendário apertado

Maria Dilma só se preocupa com a possibilidade de as vagas não serem totalmente preenchidas nessa segunda etapa. As aulas na UFT começam nesta terça-feira (23). Mesma data em que começam as matrículas dos selecionados nessa segunda fase. Além disso, ainda há uma terceira etapa de inscrições pela seleção do SiSU, para possíveis vagas remanescentes. Os estudantes perderão algumas aulas enquanto isso.

Vamos aguardar todas as essas etapas para, se preciso, fazer a 4ª chamada do nosso vestibular tradicional. Não vamos deixar vagas ociosas, garante. Maria Dilma também afirma que os candidatos selecionados nas últimas fases não serão prejudicados por causa das faltas às primeiras aulas. De acordo com a presidente da Copese, os departamentos farão adequações e compensações com esses alunos.

A reitora da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Miriam da Costa Oliveira, também esperava um número menor de vagas remanescentes. Comprovamos que vários classificados na primeira fase já haviam sido aprovados em outras instituições públicas antes do período de inscrições no SiSU. Acreditamos que, na segunda fase, as vagas também não serão preenchidas completamente, admite.

Miriam não prevê atrasos significativos no calendário acadêmico por conta disso. Ela lembra que os atrasos se deram, na verdade, por conta do adiamento das provas depois das denúncias de fraude no Enem. É uma situação natural do processo, pelo ineditismo e abrangência dele, pondera.

Na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), 3.232 vagas deixaram de ser preenchidas na primeira etapa do SiSU. Todas as 5.008 vagas da instituição foram disponibilizadas no sistema. Alexandre Martins dos Anjos, secretário de Tecnologia da Informação da instituição, conta que a universidade não esperava preencher todas as vagas de primeira. Na realidade, a reitora da instituição acreditava que somente 30% das vagas seriam mesmo preenchidas.

Tradicionalmente, temos um histórico de muitas chamadas de vestibular, especialmente em cursos muito concorridos. Há muitos alunos que participam de processos diferentes e são aprovados em muitos deles também, analisa Alexandre. Mas isso não vai nos atrapalhar. Nossas aulas começam dia 4 de março, quando esperamos ter quase todas as matrículas efetivadas. Esperamos um volume maior de matrículas agora na segunda etapa, diz.

A UniRio é outro caso de grande sobra de vagas. Para a segunda fase de inscrições do SiSU, a instituições oferece 686 vagas, sendo 54 somente no curso noturno de Direito, 52 em Medicina e 45 em Enfermagem. De acordo com a coordenação do vestibular da universidade, a falta destes integrantes não atrapalha o andamento das aulas, já que o calendário iniciará apenas no dia 15 de março.

As aulas nas universidades costumam começar no início de fevereiro, mas o ano letivo da UniRio começá mais tarde em 2010 para adequar as férias dos professores e alunos não ingressantes. De acordo com a assessoria de comunicação da universidade, o ano letivo de 2009 foi prolongado até meados de dezembro devido aos dias a mais de férias em agosto do mesmo ano, por causa do surto de gripe suína em todo o País.

A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) oferece na segunda etapa do SiSu 1.104 vagas remanescentes, um número bastante alto para uma instituição tão concorrida. A pró-reitoria de graduação da Unifesp afirma, no entanto, que o preenchimento das vagas está dentro do previsto.

Enquanto os veteranos da Unifesp voltaram às aulas no dia 1º de fevereiro, os calouros irão para a universidade somente em 1º de março, na semana de recepção. Nesta data, a terceira etapa de inscrições do SiSu estará em andamento e os ingressantes devem perder alguns dias de aula.

Outra instituição que optou por esticar o calendário foi a Universidade Federal do ABC (UFABC), que tem 780 vagas a serem preenchidas. Por ter um ano letivo quadrimestral, a UFABC optou por iniciar as aulas dos calouros somente no dia 24 de maio. Já os veteranos, voltaram às aulas em fevereiro.

Os mais procurados

O balanço final das inscrições divulgado neste domingo pelo MEC aponta que o bacharelado em Ciência e Tecnologia da Universidade Federal do ABC foi o curso com maior número de candidatos inscritos nessa segunda etapa. Ao todo, 11.919 estudantes disputam as 671 vagas disponíveis.

Entre os mais procurados pelos candidatos também estão os cursos de Administração da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia. No total, 7.149 e 6.244 candidatos se inscreveram nas instituições, respectivamente.

A lista de aprovados será divulgada na manhã desta segunda-feira. O período de efetivação de matrículas dos selecionados será de 23 a 26 de fevereiro.

(*Colaboraram Carolina Rocha e Marina Morena Costa, iG São Paulo)

    Leia tudo sobre: sisuuniversidadevagas remanescentes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG