Sinopse de imprensa - Royalties do petróleo não melhoram educação no Rio

Estudo da Universidade Candido Mendes mostra que no Rio de Janeiro -Estado que mais recebe royalties no país- os indicadores de qualidade e de infra-estrutura nas escolas dos nove municípios mais agraciados com recursos do petróleo em nada se destacam em relação a escolas do Sudeste. As informações são do jornal Folha de S. Paulo desta segunda-feira.

Redação |

Acordo Ortográfico

Segundo a publicação, o estudo de Gustavo Givisiez e Elzira Oliveira aponta que, na média, os royalties não fizeram diferença até 2006, quando se analisa o conjunto de escolas de Quissamã, Rio das Ostras, Carapebus, Macaé, Casimiro de Abreu, Búzios, Campos dos Goytacazes, São João da Barra e Cabo Frio -cidades do Rio.

No trabalho, Givisiez e Oliveira compararam dados de infra-estrutura (computadores e bibliotecas, por exemplo), professores com nível superior e desempenho das escolas no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica).

Ainda de acordo com o jornal, foi verificado que, mesmo com recursos significativos de royalties nos últimos dez anos, as escolas dessas cidades não se destacaram em relação às demais ao se comparar a evolução de índices entre 2000 e 2006.

Leia mais sobre petróleo 

    Leia tudo sobre: educaçãopetroleo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG