Sindicatos protocolam pedido para reunião com secretário de Educação

SÃO PAULO - Representantes dos sindicatos dos professores e funcionários da rede estadual de ensino foram na manhã desta terça-feira à sede da Secretaria de Estado da Educação para protocolar novo pedido para serem recebidos pelo secretário Paulo Renato Souza.

iG São Paulo |

Em greve desde o dia 8 de março, os professores ainda não se reuniram com o secretário para negociar a pauta da paralisação. Paulo Renato disse, na tarde de segunda-feira, que não havia recebido nenhum pedido de encontro com os sindicalistas e que não havia o que negociar.

Os sindicatos afirmam que estão protocolando pedidos para que o secretário os receba desde o final do mês de janeiro, incluindo um pedido feito na terça-feira da semana passada e este desta semana.

Na última sexta-feira, durante manifestação realizada em frente ao Masp, na Avenida Paulista, e na Praça da República - onde fica a Secretaria -, os representantes dos sindicatos prometeram retornar nesta terça-feira para "forçar uma negociação" com o secretário.

Nesta terça, os representantes, incluindo a presidente do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Izabel Azevedo Noronha, foram recebidos pelo chefe de gabinete da Secretaria, Fernando Padula Novaes, que protocolou o pedido de encontro com o secretário e o encaminhou para análise.

Reivindicações

Os professores da rede estadual estão reivindicando, entre outros pontos, um aumento salarial de 34,3% e a incorporação das gratificações ao salário base, criação de um plano de carreira e modificação no processo de contratação de professores eventuais.

O governo do Estado diz que não há o que negociar com os grevistas. Segundo comunicados emitidos pela Secretaria de Ensino, entre 2005 e 2009, a folha de pagamentos da secretaria teria crescido 33%, indo de R$ 7,8 bilhões para R$ 10,4 bilhões - mas não especifica se neste valor estão inclusos algum aumento no quadro de professores ou se tudo foi destinado aos holerites do mesmo número de funcionários.

Sobre a incorporação das gratificações, a secretaria alega que na última semana foi agregada a Gratificação por Atividade de Magistério (GAM) ao salário. A gratificação será incorporada em duas parcelas: a primeira, com percentual de 10%, em março deste ano; e a segunda, com percentual de 5%, prevista para março de 2011.

O sindicato reclama que esta gratificação não compensa as perdas salariais e diz que não há nenhuma perspectiva de aumento salarial até março do próximo ano para a categoria.

O sindicato pede também a revogação da lei 1041, que limita o número de faltas abonadas a seis por ano. O governo diz que a lei diminuiu em 60% o número de faltas na rede estadual.

    Leia tudo sobre: greve

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG