Servidores da USP prometem entrar em greve

O Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp) diz que os professores não vão aderir à paralisação

iG São Paulo |

Os servidores da Universidade de São Paulo (USP) entrarão em greve, por tempo indeterminado, a partir de amanhã. No entanto, o corpo docente não participará da paralisação, segundo o Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp).

A greve foi aprovada em assembleia da categoria no último dia 29, com a aprovação de reivindicação de 16% de reposição e o cumprimento da incorporação de R$ 200 ao salário-base. Os professores não participam da paralisação, pois já receberam um reajuste de 6% retroativo a fevereiro, concedido no início de março, segundo o sindicato.

De acordo com o Sintusp, a greve começa às 6 horas, com reuniões dos funcionários nas unidades da USP a fim de consolidar o movimento. O comando de greve deve se reunir em uma assembleia geral no prédio da Faculdade de História durante a manhã e outra, na parte da tarde, no Sintusp.

Além dos servidores da USP, parte dos funcionários em Ribeirão Preto, São Carlos e Piracicaba, da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) prometem paralisação a partir de quinta-feira, segundo o sindicato. Cerca de 30 mil trabalhadores fazem parte da relação de servidores das três universidades, sendo metade deste total da USP.

    Leia tudo sobre: greveusp

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG