Senadores querem que Haddad explique erros em 7 milhões de livros

Comissão de Educação, Cultura e Esporte aprovou requerimento que solicita informações sobre material didático de escolas rurais

Naiara Leão, iG Brasília |

Depois de ouvirem explicações do ministro da Educação, Fernando Haddad, sobre o livro de português que diz que é válido usar expressões da linguagem popular como “nós pega o peixe” em determinadas situações e sobre o kit anti-homofobia , senadores da comissão de Educação, Cultura e Esporte querem informações sobre sete milhões de exemplares de material didático com erros que foram distribuídos em escolas da zona rural. Entre eles está o livro de matemática que traz erros como “10-4 = 7” e “16 – 8= 6”.

Por isso, a comissão aprovou na última terça (7) um requerimento da senadora Marisa Serrano (PSDB-MS) que pede Ministério da Educação (MEC) informações sobre o material. O ministro tem o prazo de 30 dias para apresentar uma resposta.

“É importante ressaltar que as informações devem conter as providências já tomadas, inclusive aquelas de competência da Controladoria Geral da União (CGU)”, diz o texto do requerimento, que se refere a uma investigação aberta pela CGU para apurar responsabilidades no caso.

Os exemplares com erros foram distribuídos em 40 mil escolas de Educação no Campo que atendem 1,3 milhão de estudantes em todo o País. O material custou cerca de R$ 14 milhões e foi distribuído em 2010. Em fevereiro deste ano, constatou-se os erros de diagramação e revisão.

Os professores foram então orientados a usar somente outros livros em sala, pois o material com erros servia de apoio e podia ser dispensado. Mas só na última quinta-feira (2), a utilização do material foi suspensa por ordem do ministro Fernando Haddad.

    Leia tudo sobre: mechaddadsenadomaterial didático com erros

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG