Segredos da evolução

Nem peixe, nem verme, apesar de sua aparência lembrar um ou outro, dependendo de como se olha. O anfioxo é um animal marinho com menos de 5 centímetros, mas de importância inversamente proporcional ao tamanho.

Agência Fapesp |

Pertencente a um grupo de cordados primitivos, trata-se de um organismo que tem interessado aos cientistas há mais de um século, por estar no meio da transição evolutiva entre invertebrados e vertebrados.

O seqüenciamento do genoma do anfioxo acaba de ser anunciado e, não por coincidência, ganhou a capa da nova edição da revista Nature. O estudo, a partir da espécie Branchiostoma floridae, foi feito por um extenso grupo de pesquisadores dos Estados Unidos, Europa e Japão.

No artigo agora publicado, os cientistas descrevem a estrutura e conteúdo do genoma do organismo e mostram reorganizações que ocorreram na linhagem dos vertebrados desde que viveu o último antepassado comum entre o anfioxo e os vertebrados, há cerca de 550 milhões de anos.

Os pesquisadores também identificaram seqüências semelhantes que foram conservadas nos genomas do anfioxo atual e de vertebrados, apesar da longa evolução independente.

O genoma de qualquer espécie, embora informativo, é muito mais que um simples registro. Dois genomas são mais interessantes, porque se pode fazer comparações entre eles. Mas quando temos três ou mais, a história muda por completo, pois podemos delinear hipóteses bem precisas do curso da evolução genômica e fazer perguntas importantes sobre a origem das novidades morfológicas, destacou a Nature em comentário na mesma edição a respeito da importância do novo seqüenciamento e das possibilidades de comparação com o de genomas de vertebrados, entre os quais o homem.

Criatura que passa a maior parte da vida enterrada no fundo do mar, o anfioxo foi descrito pela primeira vez em 1774, como uma espécie de lesma. Foi somente no século seguinte que o russo Alexander Kowalevsky (1840-1901), um dos precursores da biologia evolutiva, deu ao animal o devido valor, ao incluí-lo corretamente no filo Chordata.

Embora não tenha uma cabeça distingüível, o anfioxo tem seu corpo sustentado por uma notocorda, bastão dorsal flexível presente apenas nas fases embrionárias dos vertebrados, em que é substituído pela coluna vertebral.

O artigo The amphioxus genome and the evolution of the chordate karyotype, de Nicholas Putnam e outros, pode ser lido por assinantes da Nature em www.nature.com .

Leia mais sobre: Evolução - pesquisa

    Leia tudo sobre: evoluçãopesquisa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG