São Paulo recebe exposição sobre os segredos dos códigos de Da Vinci

SÃO PAULO - A partir desta quarta-feira, até o próximo dia 4 de maio, o Museu da Casa Brasileira, em São Paulo, irá receber a mostra ¿Os Segredos dos Códigos de Leonardo da Vinci¿, que, pela primeira vez na América do Sul, apresenta por meio de estações multimídia interativas, reconstituições virtuais e modelos físicos, os projetos que revelam porque o artista italiano virou sinônimo de genialidade no mundo inteiro.

Agência Ansa |

A mostra se baseia principalmente nos manuscritos de dois dos mais importantes trabalhos de Leonardo da Vinci, o Código Atlântico e o Código do Vôo, transformados, em uma ação inédita, em livros digitais interativos que possibilitam ao visitante folhear os textos originais, ampliar detalhes, interagir com mais de 130 modelos 3D e compreender seus mecanismos de funcionamento.

Desenvolvida pelo Centro de Estudos e Pesquisas Leonardo3, com sede em Milão, a mostra faz parte de uma campanha de imagem realizada no Brasil pelo Instituto Italiano para o Comércio Exterior (ICE), baseada no slogan Itália, onde arte, design e tecnologia fazem história, que busca divulgar ao público a grande contribuição dada pelo país às artes e às ciências ao longo de sua história.

Sobre o pioneirismo da mostra em utilizar a tecnologia e a interatividade para proporcionar um maior entendimento da obra de Da Vinci, Mario Taddei, diretor técnico-científico da Leonardo3, comentou: Leonardo promove o fato de que todas as coisas mecânicas da arte devem ser expressas com o máximo da tecnologia gráfica. Como ele tinha o máximo da tecnologia do desenho, digamos assim, nós, portanto, devemos usar hoje, e usamos, o máximo da tecnologia multimídia que temos à disposição para tornar estas coisas visivelmente agradáveis.

O modo com que se consegue entender uma máquina, vendo-a funcionar, é diferente do que se você tiver de ler um tratado, você não entenderia nunca como funciona uma máquina somente lendo os escritos, como Leonardo dizia os escritos são para os poetas, são para a poesia. O erro cometido até hoje é que muitos projetos de Leonardo da Vinci foram descritos somente com palavras, continuou Taddei.

O conteúdo dos manuscritos presentes na mostra apresenta um lado de Leonardo Da Vinci diferente do que geralmente conhecemos por meio de suas pinturas, como a famosa Monalisa, o verdadeiro Leonardo da Vinci, aquele dos manuscritos, infelizmente se encontra ainda fechado nos cofres e não é divulgado. O verdadeiro Leonardo ainda deve ser descoberto e por isso nós procuramos viajar o mundo com esta mostra, concluiu Taddei.

A presença de dois modelos físicos, o automóvel-robô e o pássaro mecânico, possibilita ao público ver e analisar como possivelmente seriam os dois projetos se Da Vinci os tivesse construído.

Outros trabalhos importantes de Da Vinci presentes na mostra são seus projetos de ponte, entre eles a arrojada ponte giratória e a ponte retrátil, e o projeto da chamada Cidade Ideal (projeto urbanístico proposto para ser construído próximo à cidade de Milão), apresentando ao público dois lados não muito conhecidos do artista, o de arquiteto e o de urbanista.

O Código Atlântico, chamado assim devido à dimensão de suas folhas, igual às utilizadas na confecção dos Atlas geográficos, cobre o período de produção do artista entre os anos de 1478 e 1518. O trabalho aborda temas variados como: mecânica, engenharia, arquitetura, matemática, geometria, astronomia, botânica, zoologia, anatomia, artes militares e física.

O Código de Vôo apresenta, por sua vez, uma análise detalhada de Da Vinci sobre a mecânica do vôo dos pássaros com a intenção de criar uma máquina que possibilitasse ao homem realizar o grande sonho de voar.

    Leia tudo sobre: exposiçãoleonardo davinci

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG