RJ: Professores seguem acampados em frente à secretaria

Em greve, categoria espera nova reunião com governo para discutir reivindicações

iG Rio de Janeiro |

Dezenas de professores da rede estadual de ensino do Rio de Janeiro passaram a madrugada desta quarta-feira (13) acampados em barracas em frente à sede da Secretaria Estadual de Educação, no centro da capital fluminense. Os manifestantes afirmam que vão permanecer no local até amanhã, quando será realizada uma reunião com secretários do governo para discutir as reivindicações da categoria.

Futura Press
Professores montaram barracas em frente à sede da secretaria de Educação, no centro do Rio
Na tarde de terça-feira (12), os professores se reuniram com o secretário estadual de Educação , Wilson Risolia, mas nenhum acordo foi fechado. A audiência ocorreu após os grevistas terem invadido o prédio da secretaria. Cerca de 40 professores quebraram a porta de vidro do edifício e foram até o 5º andar onde fica o gabinete de Risolia. A ação foi reprimida pela PM, que atirou spray de pimenta nos manifestantes.

A greve dos professores teve início no dia 8 de junho. A categoria reivindica um reajuste salarial de 26%, a incorporação imediata da gratificação do Programa Nova Escola e o descongelamento do plano de cargos dos funcionários administrativos das escolas estaduais. Segundo o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Estado (Sepe), a pauta de reivindicações da categoria foi entregue ao governo no início deste ano.

Em nota, o secretário estadual de Educação declarou que o governo vem cumprindo os compromissos assumidos com a categoria, inclusive com melhorias salariais. Segundo ele, no último dia 5, foi anunciada a antecipação para os professores de mais uma parcela do Programa Nova Escola, a de 2012 para 2011.

De acordo com Risolia, a medida vai trazer um impacto no vencimento-base de aproximadamente 9,2% entre junho e julho. O salário base do docente de 16 horas semanais passará de R$ 765,66 (junho) para R$ 836,10 (julho). Segundo o comunicado, essas medidas vão beneficiar cerca de 167 mil servidores e representarão um esforço orçamentário de R$ 711 milhões em 2011.

    Leia tudo sobre: greve dos professoresgreveprofessoresparalisação

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG