Após decisão da Justiça, grupo que zerou no Enem é convocado por e-mail na madrugada do dia da prova da 2ª fase do vestibular

Candidatos ao vestibular da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) convocados para a segunda etapa do concurso durante a madrugada deste domingo estudam medidas judiciais contra o Ministério da Educação. Uma liminar na noite de sábado, obrigou a instituição a reconvocar 3.326 candidatos que zeraram ou tiveram anuladas as suas notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) por possíveis falhas na correção, mas uma decisão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) os tirou da disputa novamente. A poucas horas da prova, a universidade decidiu reconvocá-los por email, mas muitos não souberam da reviravolta.

Divulgação
Candidatos se aglomeram na entrada do Instituto de Ciências Exatas da UFMG, antes do início das provas
Márcio Jorge Melo, 30 anos, chegou a passar em frente ao prédio em que faria a segunda etapa para o vestibular da UFMG. Sem saber que estava convocado, ele diz, a frustração foi grande. "Recebi um email da UFMG às 2h30 da madrugada, informando que eu estava convocado para a segunda etapa, por força de uma medida judicial. Quando abri o email, as provas já tinham começado. Como até passei na frente do prédio em que faria a prova, vi as pessoas na fila de entrada, senti uma frustração muito grande", lamenta.

Melo acredita que a universidade falhou na comunicação da convocação. "Na ficha de inscrição colocamos nosso telefone celular e eles avisam o resultado da segunda etapa por mensagem de texto. Poderiam ter utilizado este método para nos avisar". Com vários cursos de culinária no currículo, ele prestaria vestibular para Nutrição.

Agora, ele irá focar seus esforços na tentativa de minimizar o estrago que a reviravolta jurídica no vestibular da UFMG causou. A ideia é reunir outros candidatos prejudicados e entrar com uma ação coletiva. "Esse caminho escolhido pelo governo, do Enem e do Sisu (Sistema de Seleção Unificada), é um caminho interessante. O problema é a desorganização".

Policiais reforçam policiamento no campus da UFMG durante aplicação da prova para 2ª fase
Denise Motta
Policiais reforçam policiamento no campus da UFMG durante aplicação da prova para 2ª fase
Só 5% compareceu

Balanço da UFMG mostra que só 5% dos convocados de última hora compareceram.

Mais de 17 mil candidatos foram convocados para a segunda etapa da UFMG, além dos mais de 3 mil chamados na madrugada da data do exame. Temendo manifestações, a UFMG reforçou o policiamento no local com maior concentração de candidatos, o campus na Região da Pampulha, em Belo Horizonte. Até o final da tarde, não houve nenhuma ocorrência de destaque.

O advogado João Batista Vilela, 54 anos, aguardava a filha, Isabela Vilela, 17 anos, candidata ao curso de Letras. Na avaliação de Vilela, o vestibular da UFMG está sub judice, o que pode gerar danos tanto para os convocados na última hora como para os outros 17 mil inscritos na segunda etapa. A filha dele, por exemplo, passou no vestibular da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). Havendo atraso no processo de seleção da segunda etapa, calcula ele, Isabela terá que se inscrever na PUC e perderá reembolso da matrícula.

Como advogado, ele diz que há possibilidade de anulação do vestibular e a decisão final de todo imbróglio deverá acontecer no Supremo Tribunal Federal (STF). "A reparação do prejuízo moral é impossível. Tudo isso declara explicitamente a incompetência do governo para gerir um evento de tamanha grandiosidade. O governo não tem capacidade de gerenciamento", constata.

Candidato ao curso de Física da UFMG, Fábio Gomes de Araújo Pego diz que Enem não faz boa análise do aprendizado no segundo grau
Denise Motta
Candidato ao curso de Física da UFMG, Fábio Gomes de Araújo Pego diz que Enem não faz boa análise do aprendizado no segundo grau
Candidato ao curso de Física da UFMG, Fábio Gomes de Araújo Pego, 32 anos, como Vilela, não sabia da reconvocação dos 3.326 candidatos durante a madrugada. "Sou contra a forma como o Enem é aplicado. Ele não faz uma análise boa do que você aprendeu no segundo grau. Toda essa confusão demonstra a falta de qualidade do Enem".

Procurada, a assessoria de Imprensa da UFMG alegou que a universidade fez o que estava ao seu alcance, para avisar os convocados durante a madrugada.

O emails, segundo a assessoria, foram enviados até meia noite deste domingo. A notificação da decisão judicial, segundo a entidade, aconteceu apenas por por volta de 22h25 de sábado. Uma hora depois, disse a instituição, uma equipe do Cecom (Centro de Computação) começou a enviar os e-mails e atualizou as informações sobre a prova de domingo no site da Copeve rapidamente.

Em nota, a coordenadora-geral do vestibular da UFMG, Vera Resende, disse acreditar que a maioria dos beneficiados pela medida judicial tenha faltado às provas do Enem ou não compareceram a alguma das provas ou mesmo deixaram a redação em branco", disse Resende.

Sisu
A abstenção também foi elevada entre os candidatos aprovados na avaliação do Enem, que funcionou como primeira etapa, segundo a UFMG. Dos 18.090 estudantes convocados para as prova de domingo - de um total de 19,6 mil -, 3.865 (21%) não compareceram. No concurso do ano passado, a abstenção na segunda etapa foi de 10%.

Vera Resende atribui esse índice ao fato de que o vestibular da UFMG recebeu inscritos de várias partes do Brasil e que muitos deles passaram no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), optando por estudar em outras universidades.

Durante a aplicação das provas, a universidade informou que três candidatos foram eliminados no primeiro dia da 2ª fase por porte de aparelhos eletrônicos, o que é proibido pelo edital do concurso.

As provas do primeiro dia ficam disponíveis no site da Copeve a partir de 22h.

A segunda etapa do vestibular da universidade continua nesta segunda-feira, com as provas de Química e História, que serão feitas por cerca de 16,6 mil candidatos. Elas começam às 14h e terão três horas de duração.

ENTENDA O CASO

13 de janeiro: sai o resultado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Candidatos são surpreendidos com notas zeradas ou anuladas, sem justificativa clara . Em Minas, mais de 3 mil candidatos ao vestibular da UFMG foram prejudicados.

Manhã de sexta-feira (21): a juíza substituta da 16ª Vara Federal de Minas Geneviève Grossi determina que os 3.326 candidatos eliminados por problemas nas notas do Enem realizem as provas da segunda etapa.

Noite de sexta-feira (21): o ministro Félix Fisher, no exercício da presidência do Superior Tribunal de Justiça (STJ), suspende liminar que beneficiava 3.326 candidatos prejudicados pelas notas zeradas ou anuladas do Enem

Noite de sábado (22): Liminar do juíz federal substituto, da 6ª Vara Federal do Maranhão, Rubem Lima de Paula Filho, obriga a UFMG a convocar os candidatos com notas zeradas ou anuladas do Enem.

Madrugada de domingo (23): a UFMG convoca 3.326 candidatos, por email, para fazer provas da segunda etapa do vestibular 2011.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.