Reitores "fecham" agenda de metas em Guadalajara

Propostas de encontro internacional de reitores buscam o reconhecimento internacional de instituições ibero-americanas

Marina Morena Costa, enviada a Guadalajara |

Mais programas de intercambio, convergência, confiança mútua e internacionalização. Estes foram os principais pontos da agenda definida por 1.009 universidades ibero-americanas e 44 diretores de outros países convidados para o II Encontro de Reitores Universia, que se encerrou nesta terça-feira em Guadalajara, no México.

Com o horizonte de uma década de implantação e contando com o apoio da sociedade (governos, empresas, organizações), os reitores propuseram: uma ampliação “ambiciosa” do programa de intercâmbio com reconhecimentos dos estudos e dos profissionais; um processo de convergência que reconheça estudos e títulos; um sistema de avaliação da qualidade que garanta mútua confiança entre os países; e um programa para impulsionar as redes universitárias de pesquisa, a formação de professores e doutores e a transferência de conhecimento.

Para que essas propostas sejam concretizadas, formando um “Espaço Ibero-americano de Conhecimento”, pretendido pelos reitores, será criado um “Observatório para o Seguimento” – espécie de conselho que acompanhará a implantação da agenda de Guadalajara. As propostas visam a internacionalização das universidades da região, que tem grandes desafios nesta área .

“As universidades participantes do encontro consideram o investimento em educação como a melhor garantia de um futuro de prosperidade, progresso e paz social e se declaram comprometidas [...] a propiciar os passos necessários para a criação de um Espaço Ibero-americano de Conhecimento”, diz a carta da agenda, lida no encerramento por Federico Gutierrez-Solana, reitor da Universidade de Cantabria (Espanha) e presidente da Conferência de Reitores de Universidades Espanholas.

Marina Morena Costa, iG São Paulo
Jose Navarro discursa no encerramento do evento
Jose Narro, reitor da Universidade Autônoma do México e presidente do Comitê Internacional do Encontro, destacou a definição de estratégias para consolidar o macro espaço de cooperação universitária. “Estamos diante de um novo modelo de universidade ibero-americana, mais comprometida, mais inovadora, mais aberta à colaboração, mais flexível, mais confiada em suas próprias capacidades”, declarou Narrro durante o evento.

No encerramento, o Banco Santander, mantenedor da rede de universidades Universia, anunciou o lançamento de um novo programa de bolsas de estudo com 15 mil vagas para estudantes do ensino superior e 3 mil para pesquisadores.

*A repórter viajou a convite da organização do evento

    Leia tudo sobre: reitoresuniversidadesinternacionalização

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG