Reitor da USP é declarado "persona non grata" na Faculdade de Direito

Congregação da São Francisco concedeu título inédito a ex-diretor da unidade e atual reitor da Universidade de São Paulo (USP)

Cinthia Rodrigues, iG São Paulo |

A Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP) declarou o reitor da USP, João Grandino Rodas, persona non grata dentro da instituição, no Largo São Francisco, centro de São Paulo. A decisão foi tomada em reunião da congregação - formada por representantes de funcionários, professores e alunos - na tarde desta quinta-feira e seguida de ato contra o ex-diretor da unidade e maior autoridade da universidade. 

Cinthia Rodrigues/iG
Diretor da Faculdade de Direito da USP fala de histórico do reitor a alunos

Desde o ano passado, a unidade e o reitor trocam críticas. Na semana passada, Rodas usou uma edição especial do jornal interno USP Destaques para criticar a diretoria da Faculdade de Direito. Agora, a unidade promete enviar ao Ministério Público uma carta com denúncias sobre a atual gestão da USP.

O diretor da São Francisco, Antonio Magalhães Gomes Filho, discursou para cerca de 500 alunos e professores sobre os erros de Rodas. "Tivemos dois diretores aqui que participaram da ditadura, mas nem eles conseguiram o título inédito que concedemos agora ao atual reitor", disse sob aplausos.

Magalhães foi vice-diretor durante a gestão de Rodas na Faculdade de Direito, entre 2007 e 2009. Em panfleto distribuído durante a manifestação, o Centro Acadêmico XI de Agosto afirma que "suas colocações públicas (do reitor) conseguiram unir a faculdade em antagonismo a ele".

O estudante do 3º ano Pedro Martinez, 20 anos, diz que a ideia é mostrar a insatisfação para a sociedade e outras unidades. "A insatisfação contra ele é antiga, mas cresceu até chegar a um ponto insuportável."

    Leia tudo sobre: USPdireitoensino superioruniversidade

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG