O governo tem que proteger a sociedade dos cursos caça-níqueis , afirmam professores - Educação - iG" /

O governo tem que proteger a sociedade dos cursos caça-níqueis , afirmam professores

SÃO PAULO ¿ Especialistas afirmam que o governo federal não está cumprindo a função de garantir condições mínimas de qualidade nas instituições de ensino superior do País. Prova disso é que 30% das instituições avaliadas pelo Ministério da Educação tiveram nota 1 ou 2 e foram consideradas ruins. Outras 884, que representam 44% do total, obtiveram nota 3 (razoável) no Índice Geral de Cursos (IGC).

Redação |

O governo tem que fiscalizar e proteger a sociedade dos cursos caça-níqueis, afirma Alberto Frank, da Universade Federal de Santa Catarina e coordenador do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior.

Apenas 21 entre as 2 mil instituições de ensino superior avaliadas em 2008 conseguiram nota máxima.

Para Frank, o grande motivo de tantas faculdades serem consideradas de má qualidade é, principalmente, a falta de investimento em educação por parte do governo e dos próprios donos das instituições. A educação é mercadoria, com o único objetivo de lucro, diz. Por este motivo também, o presidente do sindicato critica o sistema de avaliação adotado pelo MEC: a intenção é divulgar um ranking e dizer quais universidades são boas e devem receber primeiro os recursos.

O presidente da Associação dos Docentes da Universidade de São Paulo (ADUSP), João Zanetic, critica o sistema de avaliação por não levar em conta as diferenças regionais dos cursos. Além disso, segundo ele, a avaliação, não deve ser feita só por um órgão externo. "É preciso alguma forma de autocrítica, em que professores e alunos reconheçam suas fragilidades, considera.

Zanetic explica ainda que, apesar de ainda se manterem à frente das faculdades particulares, instituições públicas também sofreram um grande processo de precarização nos últimos anos. Lembro que quando comecei a dar aula na USP, na década de 70, eram 30 alunos por sala, hoje, é comum ver 100. Isso também é queda na qualidade, diz.

Segundo Zanetic, nenhuma instituição sobrevive se não estiver apoiada no tripé: ensino, pesquisa e extensã. Porém, em muitas delas é comum ver professor horista. Ele só dá aula e depois você não mais encontar com ele na universidade, nem para tirar uma dúvida, diz.

Para ele, a expansão de faculdades na década de 90 produziu locais com corpo docente deficiente e instalações precárias. Brinco que as pessoas devem procurar o Procon porque estão sendo enganadas, diz.


Leia também:

Leia mais sobre: Enade

    Leia tudo sobre: cursofaculdadesuniversidade

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG